Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mesmo preso, Delcídio continua recebendo auxílio-moradia do Senado

Loading...

POLíTICA

Mesmo preso, Delcídio continua recebendo auxílio-moradia do Senado

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Prestes a completar dois meses preso, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) continua recebendo R$ 5,5 mil de auxílio-moradia por mês pago pelo Senado. Por continuar com as prerrogativas parlamentares, o petista também recebe R$ 33,7 mil de salário.
No total, Delcídio receberá R$ 78,4 mil entre salário e auxílio-moradia referentes a dezembro e janeiro. A informação foi publicada neste domingo (17) pelo jornal "O Estado de S. Paulo". Ele foi preso em 25 de novembro pela Polícia Federal, no âmbito da Operação Lava Jato, sob a suspeita de tentar obstruir as investigações.
Antes de ser detido, Delcídio morava em um hotel de luxo de Brasília, localizado a poucos metros do Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência da República.
Os benefícios do senador foram mantidos porque o Senado o colocou em uma licença especial por, pelo menos, quatro meses. Segundo o Regimento Interno da Casa, esse tipo de licença é prevista quando um senador é privado de sua liberdade em virtude de processo criminal em curso. Neste caso, não há prazo para o fim da licença e, por isso, Delcídio pode continuar no cargo mesmo estando preso.
A licença especial é diferente das concedidas por questões médicas ou por motivos pessoais, que podem durar até 120 dias. Ao final deste prazo, o suplente deve ser chamado para assumir o mandato.
Esta foi a primeira vez que um senador foi preso no exercício do mandato e, por consequência, a primeira vez que a licença especial foi concedida. Por isso, a Mesa Diretora da Casa teve que fazer uma interpretação do regimento interno para decidir que, no caso de Delcídio, o seu suplente deverá ser convocado após 120 dias de ausência do titular.
O Senado também não descontou do salário do petista os cerca de R$ 1,2 mil por sessão deliberativa, dedução feita sempre que um senador falta a uma das sessões de votação. Neste caso, o Senado considera que o petista está impedido de participar da sessão, em uma situação análoga à de um senador que esteja doente.
Delcídio passou os primeiros 24 dias de prisão na Superintendência da Polícia Federal, em Brasília. Incomodado com as instalações e com o barulho de um gerador que ficava próximo ao local em que estava, o petista foi transferido em 18 de dezembro para o Batalhão de Policiamento de Trânsito da Polícia Militar do Distrito Federal, onde permanece até o momento.
Perguntado sobre o motivo de manter o pagamento do auxílio-moradia a um parlamentar que está preso, o Senado não respondeu ao questionamento até o fim da tarde desta segunda (18). Também procuradas acerca dos custos de manutenção da prisão de Delcídio, a Polícia Federal informou que não divulga tal tipo de informação e a PMDF não respondeu.
Já o gabinete do senador em Brasília praticamente extinguiu os gastos desde que o chefe foi preso. A única despesa efetuada em dezembro foi com o envio de uma correspondência Sedex 10 no valor de R$ 57. No entanto, para manter a estrutura com os 14 funcionários em atividade, o Senado desembolsou em dezembro R$ 301 mil com o pagamento de salários e gratificações.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1904 · 18/02/2017

12 15 18 21 51 56