Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Relator do Orçamento diz que PF gastou abaixo do previsto em 2015

Loading...

POLíTICA

Relator do Orçamento diz que PF gastou abaixo do previsto em 2015

RUBENS VALENTE
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em mais um capítulo da troca de acusações gerada pelo corte nos gastos da Polícia Federal previstos para 2016, o relator-geral do orçamento no Congresso, deputado Ricardo Barros (PP-PR), afirmou que a PF gastou o orçamento abaixo do que poderia em 2015, com 74% dos recursos destinados a "administração da unidade e manutenção de transporte".
Procurada, a PF não se manifestou até as 20h desta quinta (7). Em nota divulgada na quarta-feira (6), a PF informou que um corte de R$ 151 milhões ocorreu "por parte do relator do projeto da Lei Orçamentária Anual" e que o diretor-geral do órgão, Leandro Daiello, "reuniu-se com o secretário-executivo do Ministério da Justiça, que já solicitou ao Ministério do Planejamento a reposição no orçamento, para que não ocorra nenhum prejuízo às operações e projetos de melhoria e desenvolvimento da PF".
"O orçamento da Polícia Federal não é o problema, [o problema] é a execução orçamentária", rebateu o parlamentar em entrevista à Folha de S.Paulo. Barros afirmou que os números da execução lhe foram repassados pela consultoria do Orçamento na Câmara.
Em nota, o deputado manifestou "estranheza" sobre "a intempestividade, a insistência e a forma espetaculosa" que a ADPF (Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal) "tem discutido os cortes efetuados após a proposta orçamentária para 2016 ser aprovada" no Congresso Nacional. A associação criticou o corte em nota e, nesta quinta, delegados divulgaram um manifesto com o mesmo objetivo.
O corte foi a diferença entre a proposta inicial do Executivo que chegou ao Congresso e o resultado aprovado a partir dos cortes recomendados no relatório de Barros. O volume total do corte mencionado pelo relator é diferente do informado até aqui pela ADPF, pela PF e pelo Ministério da Justiça, que ora citaram cortes de R$ 133 milhões, ora de R$ 151 milhões. Segundo o relator, a diminuição no orçamento foi de R$ 215 milhões, ou "apenas 3,4% do orçamento da PF", fixado segundo ele em R$ 5,6 bilhões.
A proposta deverá ser aprovada pela presidente Dilma Rousseff até o próximo dia 14. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse estar em entendimento com o Ministério do Planejamento para recompor as perdas da PF e que nenhuma atividade essencial será prejudicada, incluindo as operações policiais.
Barros disse não compreender as reclamações da ADPF e da PF porque não teria sido procurado pela entidade ou pelo órgão antes do seu relatório final. "A PF não me procurou. Eles não apareceram, não foram lá [na comissão], não se movimentaram. Só começaram a reclamar depois de o orçamento ter sido aprovado", disse o parlamentar.
Segundo Barros, no plenário do Congresso foram apresentados 22 destaques para recomposição de cortes, de órgãos como o TCU (Tribunal de Contas da União) e o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), "que foram atendidos com recursos do relator-geral". Porém, segundo o deputado, "a PF não apresentou destaques em plenário".
"Para mim, estão criando essa confusão por alguma outra coisa. É cortina de fumaça. Deve ser alguma recomposição salarial que estão querendo", afirmou Barros.
De acordo com o relator-geral, o corte imposto ao orçamento da PF "foi linear", o mesmo aplicado a outros órgãos, de modo a "atingir a meta de superávit primário de R$ 24 bilhões".
Barros disse em nota "reafirmar o apoio às investigações da PF, assim como as do Ministério Público, que negociou os cortes e foi atendido".
PRIORIDADE
O Ministério da Justiça divulgou balanço para demonstrar que tem priorizado a PF em termos orçamentários. Segundo os números, enquanto o orçamentário discricionário -tipo de despesa com flexibilidade e oportunidade de execução- da pasta como um todo caiu de R$ 3,4 bilhões em 2012 para R$ 2,7 bilhões em 2015, o da PF saiu de R$ 879 milhões em 2012 para R$ 923 milhões em 2015.
A participação da PF no orçamento do ministério, em relação às outras unidades sob responsabilidade da pasta, continuaram também em trajetória ascendente, partindo de 25% do total, em 2012, para 34% em 2015. No orçamento previsto para 2016, esse índice caiu um pouco, para 33%.
Segundo os números do Ministério da Justiça, o orçamento da PF como um todo, incluindo salários, é crescente nos últimos anos, em termos nominais, passando de R$ 4,5 bilhões para R$ 5,3 bilhões em 2015. A previsão para 2016 é de que o orçamento global chegue a R$ 5,6 bilhões.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 08/12

ÂNGELO RODRIGUES, 70 anos

CALIFÓRNIA
ENACIR MARIA CARDOSO, 53 anos

JANDAIA DO SUL 08/12

MARIA DO ROSARIO DE SOUZA BORGES, 50 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1883 · 07/12/2016

16 27 28 47 59 60