Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alexandre Padilha dividiria laboratório com Youssef, diz delator

Loading...

POLíTICA

Alexandre Padilha dividiria laboratório com Youssef, diz delator

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O transportador de valores Carlos Alexandre de Souza Rocha, ex-funcionário do doleiro Alberto Youssef, afirmou em sua delação premiada na Operação Lava Jato que o então ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT), atual secretário municipal em São Paulo, ficaria com uma parte do Labogen, laboratório usado pelo doleiro para lavar dinheiro.
A Labogen negociou uma parceria para produção de medicamento com o Ministério da Saúde na época da gestão Padilha, mas o projeto foi interrompido antes de seu início depois que veio à tona a relação do doleiro com o laboratório.
O ex-deputado petista André Vargas (ex-PT-PR) intermediou os contatos da Labogen com Padilha na época.
Rocha, conhecido como Ceará, disse ainda que o ex-ministro de Collor Pedro Paulo Leoni Ramos também entraria no negócio aportando recursos para a produção dos medicamentos.
"A Labogen seria dividida em quatro partes; que uma das partes era de Leonardo Meirelles; que a segunda parte era de Alberto Youssef, baseada no débito que Leonardo Meirelles tinha para com ele; que a terceira parte era do então ministro da Saúde Alexandre Padilha e de André Vargas; que a quarta parte era do fundo de investimentos administrado por Pedro Paulo Leoni Ramos", afirma um dos relatórios de sua delação.
Youssef afirmou, também em delação, que chegou a se reunir com Padilha para tratar da Labogen, mas não disse que o ex-ministro teria uma parte do laboratório.
Em um outro depoimento, já houve contradição entre Youssef e seu ex-funcionário: Ceará disse ter ouvido do doleiro que o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) recebeu R$ 200 mil e Youssef negou a informação, o que provocou o arquivamento de procedimento preliminar sobre o caso no STF (Supremo Tribunal Federal).
OUTRO LADO
Em nota, Padilha declarou que não foi encontrado nenhum vínculo dele com irregularidades, mesmo após investigação da Polícia Federal e da CGU (Controladoria-Geral da União).
"É absurda e irresponsável qualquer tentativa de mais uma vez vincular o nome do ex-ministro da Saúde ao referido laboratório por meio de 'conversas ouvidas de terceiros' em uma delação", diz a nota.
A assessoria de Leoni Ramos confirmou que a GPI Investimentos fez um "pré-contrato de opção de compra", junto a outras empresas, que manifestava a intenção de adquirir a Labogen desde que cumpridas condições.
"Essa opção de compra jamais foi exercida porque essas condições não se realizaram. A empresa esclarece ainda que seus representantes jamais foram sócios, fizeram parte da diretoria ou participaram da administração do laboratório Labogen", diz a nota.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56