Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupos on-line têm boca a boca e tática de guerrilha

Loading...

GERAL

Grupos on-line têm boca a boca e tática de guerrilha

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Em grupos on-line com nomes como "União pela volta dos inibidores de apetite", pessoas reclamam de seu peso atual, trocam pistas sobre médicos e farmácias que podem facilitar o acesso às drogas e exibem, como se fossem troféus, as prescrições das drogas antiobesidade liberadas pelo Congresso.

Desde que a lei foi sancionada no fim de junho, ganharam força o boca a boca para conseguir os remédios e a tática de guerrilha de farmácias que abordam individualmente os pacientes dos grupos e aceitam encomendas até de médicos a distância para preencher os formulários azuis B2 com os dados do paciente -prática proibida pelo Conselho Federal de Medicina e que pode render punição ao médico.

Nomes de médicos prescritores de anfepramona e femproporex se tornaram um ativo importante. Uma paciente relata que, ao sair da consulta, de tanta raiva, chegou a rasgar a prescrição de sibutramina, substância que ela considera ineficaz, ponto de vista compartilhado por outras colegas do grupo.

De repente, uma moça pede recomendações: "Alguém sabe de um médico que receite inibidores em Porto Alegre?".

Não demora para que surjam anúncios como "Médicos da clínica [nome] já estão receitando anfepramona e femproporex. Ligue e agende sua consulta!", "Confirmado!!! Já estou prescrevendo anfepramona em todos os consultórios!!!", ou "Meninas, estamos com agenda aberta para consulta com endocrinologista, aqui na região zona leste de SP".

DÚVIDAS

Oportunistas também não perdem a chance de lucrar em cima do desespero alheio.

Um perfil de uma moça oferecia "anfeplamona" (sim, com "l") manipulada a ser entregue por ela mesma (sem necessidade de qualquer burocracia, como receita médica) em uma estação de metrô de São Paulo ou por Sedex.

O outro medicamento recém-liberado, mazindol, raramente é citado nas conversas. Uma paciente relata ter conseguido o remédio no Paraguai com "um contato" e já ter perdido, com auxílio de dieta, 2 kg em três dias.

Também pairam dúvidas sobre a procedência dos remédios. Quando uma das integrantes diz: "Consegui a anfepramona em uma farmácia de manipulação!", outra responde: "Você sentiu que é a verdadeira?".

Ainda sobre a anfepramona, uma moça faz contas: o remédio mais um "composto" (com diurético, calmante, laxante...) em uma venda casada promovida por uma farmácia de manipulação sai mais de R$ 500 por mês.

"Tô lascada. Vou morrer gorda", lamenta.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias