Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Ataque a base militar deixa dois mortos e gera tensão na Venezuela

Loading...

GERAL

ATUALIZADA - Ataque a base militar deixa dois mortos e gera tensão na Venezuela

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Militares da Venezuela reagiram rapidamente contra um ataque a uma base do Exército em Valencia, no norte do país, no domingo (6), enfrentando um grupo que afirmou querer "restabelecer a ordem constitucional". O incidente deixou pelo menos dois mortos.

Segundo o governo, o ataque foi realizado por um grupo de civis com apoio de um único militar. Oito pessoas foram detidas.

A tensão tomou conta de Valencia. Em meio a boatos de motim, o governo de Nicolás Maduro assegurou ter frustrado uma incursão "terrorista" de um grupo de civis vestindo trajes camuflados, no forte Paramacay.

"Há uma semana os vencemos com votos e hoje tivemos que vencer o terrorismo com balas", disse Maduro em seu programa dominical de TV, em alusão às eleições de sua Assembleia Constituinte.

O presidente disse ainda que o ataque havia sido coordenado por opositores atuando na Colômbia e nos EUA.

"Dois foram abatidos pelo fogo leal à pátria, um está ferido. Destes dez atacantes que ficaram nas instalações de Paramacay, nove são civis e um é um tenente desertor", disse Maduro.

O incidente foi revelado após a divulgação nas redes sociais e em vários meios de comunicação de um vídeo supostamente gravado na 41ª Brigada Blindada de Valencia, no qual um homem se apresenta como capitão, declara "rebelião" contra Maduro e exige um "governo de transição".

"Nós nos declaramos em rebelião legítima (...) para desvaler a tirania assassina de Nicolás Maduro. Esclarecemos que isso não é um golpe, essa é uma ação cívica e militar para restaurar a ordem constitucional", afirma o homem que se identificou como Juan Caguaripano.

O ministro da Defesa, Vladimir Padrino, assegurou que a incursão à base se tratou de "um ataque terrorista do tipo paramilitar". Ele afirmou que o ataque "não é mais que um show de propaganda, uma quimera, um passo desesperado da extrema direita".

"Faz parte dos planos de desestabilização e conspiração contínua" para "evitar que se consolide o renascimento da nossa república", completou Padrino.

O ministro reiterou o "apoio incondicional" das Forças Armadas ao governo de Maduro, que enfrenta grandes protestos há quatro meses e forte crítica internacional. As Forças Armadas são o principal apoio de Maduro e lhe conferem poder político e militar.

PROTESTOS

Após o ataque frustrado e os boatos de motim, a situação ficou tensa em Valencia.

Helicópteros sobrevoaram os arredores da base, sede da 41ª brigada do Exército, e militares em blindados patrulharam a região.

Após o incidente, dezenas de pessoas ergueram barricadas nas proximidades da cidade, onde puseram troncos de árvores e queimaram lixo, entrando em confronto com militares da Guarda Nacional que os dispersaram com bombas de gás lacrimogêneo e projéteis de chumbo.

Pequenos distúrbios também foram registrados em um setor do leste de Caracas, onde manifestantes tentaram bloquear uma rodovia e foram reprimidos.

O presidente do Parlamento, Julio Borges, exigiu do governo a verdade sobre o ataque em Valencia e reivindicou que Maduro se abstenha de uma "caça às bruxas".

A oposição pediu que as Forças Armadas rompam com Maduro sobre o que considera violação da constituição. Mesmo assim, a maioria das manifestações de dissidência entre as tropas tem sido pequena e isolada.

"Ainda é muito difícil saber em que medida existem divisões significativas dentro dos militares", avaliou Michael Shifter, presidente da Inter-American Dialogue, think tank norte-americano.

O ataque marcou um fim de semana tenso quando a nova Assembleia Constituinte destituiu a procuradora-geral do país Luisa Ortega Diaz, crítica ao governo.

No domingo, ela voltou a se recusar a reconhecer a decisão. "Eu desconheço essa remoção, continuo sendo a procuradora-geral deste país", disse Ortega. Segundo ela, a Assembleia é "ilegítima e inconstitucional".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias