Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Procuradora diz que passou a se opor a Maduro após enteada ser sequestrada

Loading...

GERAL

Procuradora diz que passou a se opor a Maduro após enteada ser sequestrada

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A procuradora-geral da Venezuela, a chavista dissidente Luisa Ortega Díaz, revelou nesta quarta-feira (2) que ela passou a se opor ao presidente Nicolás Maduro depois que sua enteada foi sequestrada com o filho.

María Andrea Ferrer, filha do deputado e marido da procuradora Germán Ferrer, foi capturada por homens armados em 16 de fevereiro enquanto saía de casa com o filho, um adolescente de 16 anos, em Caracas.

Nesse dia Ortega Díaz estava em Brasília assinando um acordo com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e nove homólogos de cooperação para investigação do escândalo de corrupção envolvendo a Odebrecht.

"Tive que abandonar a reunião e voltar imediatamente para cá [Caracas]. Ela ficou dois dias sequestrada e ele, três, porque soltaram ela e ficaram com o menino", disse, em entrevista à emissora CNN en Español.

"Além disso, as perseguições permanentes, o assédio à sede principal onde eu estou, do Ministério Público, à minha casa e à casa dos meus familiares tem sido permanente nos últimos meses."

O crime foi investigado pelo Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc), ligado ao governo, e seis suspeitos foram presos pela polícia e acusados de sequestro, roubo e associação criminosa.

Em junho, porém, surgiram rumores de que o sequestro seria uma represália à procuradora por buscar dados sobre a corrupção no governo de Nicolás Maduro ou que estaria interessada em levar o material aos EUA.

Após o sequestro, o Ministério Público praticamente não avançou com as acusações a pessoas que teriam recebido propina da construtora brasileira —a empreiteira afirmou ter pago US$ 98 milhões a políticos venezuelanos, valor só superado pelo desembolsado no Brasil.

A primeira acusação formal saiu apenas em 12 de julho, contra parentes do ex-ministro Haiman El Troudi. Na última terça (1º), Ortega Díaz anunciou que o governo pagou US$ 30 bilhões à Odebrecht por obras inacabadas.

RUMO À DITADURA

A procuradora disse que a convocação da Assembleia Constituinte, à qual se opõe, a violência das forças do governo nos protestos e o uso da Justiça Militar contra opositores "colocam o país no caminho de um regime ditatorial".

"Não posso dizer absolutamente que perdemos totalmente a democracia, ainda ficaram algumas aparências, mas, se continuarmos avançando dessa forma, perderemos todas as características de democracia."

Na entrevista, anunciou a investigação contra as reitoras chavistas do Conselho Nacional Eleitoral pela acusação de fraude na votação da Constituinte e pediu a auditoria dos votos com "especialistas nacionais e internacionais".

Sobre a guinada que deu a partir de março contra Maduro, Ortega Díaz afirma que "sempre foi a mesma". "Foram outras pessoas que mudaram. Revisa minha posição desde que fui designada procuradora, sempre a mantive."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias