Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Atriz francesa Jeanne Moreau morre aos 89 anos

Loading...

GERAL

ATUALIZADA - Atriz francesa Jeanne Moreau morre aos 89 anos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A atriz Jeanne Moreau, uma das mais importantes do cinema e símbolo da nouvelle vague, morreu em Paris nesta segunda (31) aos 89 anos.

Ela atuou em mais de cem filmes ao longo de 65 anos.

Em "Amantes" (1958), de Louis Malle, causou escândalo com uma cena de sexo. Quatro anos depois, em "Jules e Jim" (1962) de François Truffaut, ganhou projeção internacional ao viver o centro de um relacionamento a três.

Naquela década, atuou ainda em filmes de Michelangelo Antonioni ("A Noite", de 1961), Luis Buñuel ("O Diário de uma Camareira", em 1964) e Peter Brook ("Duas Almas em Suplício", de 1960), pelo qual ganhou prêmio de atuação no festival de Cannes.

"Foi-se uma parte da lenda do cinema", afirmou o presidente francês Emmanuel Macron em nota, na qual descreve Moreau como mulher "livre, rebelde e a serviço das causas nas quais acreditava".

"Tenho em mim uma espécie de energia que não controlo", disse certa vez a artista, para quem o cinema "não era uma carreira, e sim uma vida".

Moreau, que trabalhou até os 87 anos, pensava que, com o tempo e o sucesso, fazer seu trabalho vinha se tornando "cada vez mais difícil", sobretudo diante da "tentação, à qual não se deve ceder, de fazer qualquer coisa para agradar o público, ao invés de fazer aquilo com o que estamos profundamente de acordo". ÍCONE FEMINISTA

Jeanne Moreau nasceu em Paris em 23 de janeiro de 1928, filha de uma dançarina e de um dono de hotel e restaurante. Aos 15 anos, após ir pela primeira vez ao teatro para assistir a uma encenação de "Antígona", decidiu ser atriz.

Seu sonho não foi bem recebido pelo pai. A repressão, contudo, acabou se tornando um elemento motivador.

Começou sua carreira no teatro aos 19 anos, integrou a Comédie-Française e participou no primeiro Festival de Avignon em 1947, sob a direção artística de Jean Vilar, antes de retornar ao mesmo evento 60 anos mais tarde.

Interpretou mulheres rebeldes, inconformadas e à margem da sociedade.

Em "Duas Almas em Suplício" viveu uma figura da burguesia insatisfeita, atormentada. Protagonista de "Jules e Jim", filme cult da nouvelle vague, encarnou uma mulher livre e moderna, enquanto em "A Noiva Estava de Preto" (1968), também de Truffaut, fez o papel de uma assassina movida por vingança.

Em 1998 recebeu um Oscar honorário e, dez anos depois, um César honorário, da Academia de Cinema francesa.

Em 2009, foi homenageada no Festival do Rio, do qual participou ao lado do cineasta Cacá Diegues, que a dirigiu em "Joana Francesa" (1973).

No filme, não só fazia a personagem-título como entoava a canção homônima de Chico Buarque --Moreau teve uma carreira paralela como cantora; seu maior hit foi "Le Tourbillon de la Vie", da trilha de "Jules e Jim".

Moreau casou-se duas vezes. A primeira em 1949, com o cineasta Jean-Louis Richard, pai de seu filho, Jérôme. Seu segundo matrimônio, com o diretor americano William Friedkin, durou dois anos, de 1977 a 1979.

A atriz foi encontrada morta em sua residência na capital francesa. A causa da morte não foi divulgada.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias