Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo de SP adia decisão sobre obra da "linha das universidades" do metrô

Loading...

GERAL

Governo de SP adia decisão sobre obra da "linha das universidades" do metrô

FABRÍCIO LOBEL

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A secretaria dos transportes metropolitanos do governo Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou nesta segunda-feira (3) que está analisando informações repassadas pelo consórcio Move SP para a retomada das obras da linha 6-laranja, conhecida como a "linha das universidade". O empreendimento deverá ligar o bairro da Brasilândia (na periferia da zona norte) à estação São Joaquim da linha 1-azul (no centro).

O consórcio vencedor da licitação ocorrida em 2013 está com obras paradas desde setembro do ano passado por falta de recursos. As empreiteiras tinham até a última sexta-feira (30) para apresentar dados financeiros que garantissem a volta aos trabalhos.

Caso não conseguissem, o contrato com o Governo do Estado poderia ser cancelado e uma nova licitação teria que ser feita para a conclusão da linha. Neste caso, há risco de alongamento do prazo de entrega das estações, atualmente prevista para 2020, e de encarecimento da obra orçada em R$ 9,6 bilhões.

Três das empreiteiras do consórcio Move SP (Odebrecht, Queiroz Galvão e UTC Engenharia) estão sendo investigadas pela Lava Jato pelo pagamento de propinas a políticos, o que inviabilizou a obtenção de financiamento para continuar as obras.

Desde setembro, o governo do Estado tem prorrogado prazos para que o consórcio Move SP conseguisse financiamento e voltasse a tocar o empreendimento. Mas as empreiteiras não conseguiram solucionar a falta de recursos.

Embora ainda não tenha obtido empréstimos, na última semana o consórcio informou ao governo que está tentando financiamento de longo prazo. Agora, na prática, a análise que está sendo conduzida pelo governo do Estado adia o impasse sobre a volta das obras.

Prometida durante a campanha de Alckmin, a linha 6-laranja é apenas uma das seis obras de expansão do Metrô. Todas elas estão atrasadas.

ATRASO

Com 15 km de extensão e 15 estações, a linha 6-foi apelidada de linha das universidades, por ter em seu trajeto sedes de instituições de ensino como PUC, Mackenzie e FAAP. O anúncio da linha foi feito ainda na gestão José Serra (PSDB), em 2008. Na época, a promessa era de que a linha já estaria em operação em 2012.

Na época, moradores de Higienópolis se organizaram para protestar pela presença do metrô. O termo "gente diferenciada" chegou a ser usado para descrever as pessoas que seriam atraídas por uma estação no tradicional bairro paulistano.

A assinatura do contrato de PPP (parceria público privada) só ocorreu em dezembro de 2013, quando a estimativa era de que a linha poderia funcionar parcialmente até 2018.

O contrato foi comemorado por ser a primeira PPP plena do Brasil. Ou seja, o consórcio vencedor não apenas faria a obra, como seria responsável pela operação da linha por 25 anos. A expectativa é de que isso tornaria o projeto mais atrativo à iniciativa privada, além de incentivar o término das obras. O custo total do empreendimento é de R$ 9,6 bilhões, dos quais R$ 8,9 bilhões serão divididos entre governo e o consórcio.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias