Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Participantes da Parada LGBT protestam contra governo Temer

Loading...

GERAL

ATUALIZADA - Participantes da Parada LGBT protestam contra governo Temer

MARIANA ZYLBERKAN

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O público da 21ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo aproveitou o dia para protestar contra o governo Temer na avenida Paulista. No início da tarde deste domingo (18), participantes ofereciam panfletos com os dizeres "LGBT sem Temer", que foram bastante disputados.

"Parada não é só zoeira. Vamos protestar contra o governo Temer que está acabando com o nosso país", disse uma adolescente de 14 anos.

A vendedora Lais da Silva Rinaldi, 30, participa pela primeira vez da parada e também se posicionou contra o presidente Michel Temer. "Vou gritar muito 'Fora, Temer'".

A organização da 21º Parada do Orgulho LGBT diz esperar atrair 3 milhões de pessoas neste domingo na avenida Paulista. No ano passado, quando organizadores fizeram a mesma previsão, a Polícia Militar estimou um público de 190 mil pessoas no horário de pico.

Ao menos 16 carros de som vão cruzar a avenida em direção à rua da Consolação. Entre as atrações mais esperadas estão as cantoras Daniela Mercury e Anitta.

Com a ausência do prefeito João Doria (PSDB) no que seria sua primeira participação no evento, o vice Bruno Covas representou a prefeitura. Doria deixou a cidade no feriado para comemorar o aniversário de 15 anos da filha em Porto Rico.

Perguntado sobre a ausência do prefeito, Covas disse que Doria precisou viajar porque já havia assumido compromisso com a filha antes de ocupar o cargo.

Para Nelson Matias, um dos organizadores da Parada, a ausência do prefeito João Doria não causou constrangimento. "Ele explicou que a filha faz 15 anos e foi compreendido por nós. Não é todo dia que a filha faz 15 anos."

Segundo Covas, a administração investiu R$ 1,5 milhão na parada. "Há duas grandes razões para isso. A primeira é mostrar que São Paulo respeita a diversidade e também que a cidade está creditada para receber um evento como esse", disse. "É uma alternativa para gerar emprego e renda para a nossa população."

Pela primeira vez, foi organizada uma ala de deficientes físicos na frente do carro de som oficial da parada, o primeiro a desfilar. Segundo a organização, a iniciativa foi para permitir a participação de pessoas com mobilidade reduzida em um espaço separado da multidão. "Sempre quis vir, mas tinha receio por causa da muvuca", diz o cadeirante Leônidas Marques de Almeida, 52.

Também pela primeira vez na Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, o casal de uruguaios Ruben Lopes, 55, e Mario Bonilha, 59, preparou especialmente uma camiseta com a fotos dos dois em formato de coração em homenagem aos 25 anos de casados. "Viemos celebrar a família", disse Lopes.⁠⁠⁠⁠

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias