Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ATUALIZADA - Suspeita de negligência, médica nega culpa por morte de bebê no RJ

Loading...

GERAL

ATUALIZADA - Suspeita de negligência, médica nega culpa por morte de bebê no RJ

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Suspeita de negligenciar atendimento a uma criança de um ano e meio no Rio, a médica Haydée Marques da Silva disse em depoimento à Polícia Civil, nesta segunda-feira (12), que não tinha capacidade técnica para lidar com o problema do bebê e, por isso, se recusou a atendê-lo.

Breno Duarte da Silva, que sofria de doença neurológica, morreu enquanto a família esperava por outra ambulância.

"Não sou pediatra, era um bebê com uma síndrome que nem sei de que se trata. Quando há urgência, risco de vida, atendo, mas nesse caso não havia risco de vida, a classificação de risco não foi de urgência, então eu pedi que enviassem outra ambulância", disse a médica à polícia.

Haydée é funcionária da Cuidar Emergências Médicas, que presta serviços à Unimed-Rio. "Não estou arrependida porque não fiz nada fora do código de ética médico. Estou triste e abalada pelo fato de a criança ter morrido, mas não fiz nada de errado. Pedi outra unidade para atendê-la. A morte não é minha responsabilidade", afirmou.

Para o advogado da família do menino, Gilson Moreira, o argumento não se sustenta. "Ela tinha sido chamada para um atendimento urgente, na Penha, mas a empresa decidiu abortar este atendimento para que a equipe prestasse socorro imediato ao Breno, então sabia da gravidade. As razões que ela apresenta não têm fundamento."

A família vai processar a Cuidar e a Unimed-Rio por danos materiais e morais.

Ao final da investigação, a polícia pode indiciar a médica sob suspeita de homicídio doloso. "É preciso esclarecer se a médica sabia que era um paciente urgente. O código de ética médico diz que é permitido se recusar a atender alguém se o profissional não tem condições técnicas de fazê-lo. Por outro lado, era uma ambulância, que deveria atender todo tipo de coisa", disse a delegada responsável pelo caso, Isabelle Conti.

Segundo o advogado que representa a família, a médica tinha um histórico de mau comportamento, incluindo um paciente ferido durante exame e um idoso mantido sem oxigênio durante de uma viagem de ambulância.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias