Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que não vale a pena matar as onças que comem gado no Pantanal

Loading...

GERAL

Por que não vale a pena matar as onças que comem gado no Pantanal

REINALDO JOSÉ LOPES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Matar onça-pintada que andou comendo bezerro desgarrado pode até satisfazer o desejo do fazendeiro de ir à forra e não ficar no prejuízo, mas é uma péssima ideia do ponto de vista do bolso.

Pesquisadores calcularam quanto uma região do Pantanal ganha por ano com o turismo de observação de onças e compararam o valor com os prejuízos trazidos pelos felinos que gostam de comer picanha bovina de vez em quando. Resultado: o que se perde com as reses devoradas equivale a menos de 2% do que se ganha com os turistas fãs de onça.

Em números absolutos, estamos falando de quase US$ 7 milhões amealhados em 2015 com o ecoturismo dedicado aos felinos, versus apenas US$ 121 mil perdidos por conta da ação de onças que enjoaram de comer capivara. Isso, é bom lembrar, em apenas um pedaço do Pantanal -a região do Parque Estadual Encontro das Águas, nos municípios de Poconé e Barão de Melgaço (MS).

Os dados, expostos em artigo na revista científica "Global Ecology and Conservation", foram levantados por uma equipe que inclui Fernando Rodrigo Tortato, da Universidade Federal de Mato Grosso e da ONG Panthera, e Carlos Peres, da Universidade de East Anglia (Reino Unido). "Nossos dados podem ser extrapolados para outras regiões que exploram o ecoturismo e a observação da onça-pintada no Pantanal, como Cáceres, em Mato Grosso, e Aquidauana, Corumbá e Miranda, no Mato Grosso do Sul", declarou Tortato.

Mesmo na área estudada, os números obtidos pelos pesquisadores estão claramente subestimados porque levaram em conta apenas os ganhos obtidos de forma direta com a observação de felinos, sem considerar coisas como as refeições dos turistas em restaurantes da região ou seus gastos com deslocamento.

POUSADAS

Para chegar aos resultados, Tortato e seus colegas visitaram sete pousadas da área estudada que oferecem pacotes especificamente voltados para safáris fotográficos de onças (com duração média de três dias). Computaram então as diárias de cada pousada por hóspede, o número total de visitantes em 2015 e a taxa mínima de ocupação diária nos estabelecimentos. Só esses dados entraram na conta.

Um pouco mais complicado foi definir a área impactada pelas onças no parque e em seu entorno. Com a ajuda de coordenadas de GPS dos locais onde os bichos costumam ser observados (em geral ao longo dos rios), e levando em conta os deslocamentos típicos da espécie, eles estimaram uma área de 81 mil hectares para o território das onças na região.

Considerando uma densidade de cabeças de gado típica do Pantanal (0,2 cabeça por hectare), eles estimaram que a população bovina da área estaria na casa dos 16 mil animais. Cruzando esse número com estudos sobre o impacto médio das onças nos rebanhos daquela zona (uma mortalidade de 2,5% das reses ao ano), com um valor perdido de US$ 300 por boi morto, o grupo chegou ao prejuízo anual de US$ 121 mil.

Na área do estudo, a observação de onças costuma ser realizada por empresas que não estão ligadas às fazendas de criação de gado. Os pesquisadores propõem que uma parte muito modesta da renda gerada pela atividade poderia ser usada para cobrir os custos da perda de bois - turistas entrevistados por eles disseram topar que uma média de 7% a mais de suas diárias fosse usada para esse fim. Mas não seria mais lógico que os fazendeiros também virassem empreendedores de ecoturismo?

"Na porção sul do Pantanal, as pousadas normalmente estão associadas às fazendas. Com isso, a onça-pintada pode representar lucro e prejuízo para o mesmo proprietário", diz Tortato.

"Mas não é necessário que todos os pecuaristas do Pantanal diversifiquem o seu portfólio econômico. Acho que seria melhor que algumas propriedades se especializem em ecoturismo, enquanto outras podem se concentrar na pecuária extensiva com um manejo modernizado do rebanho", argumenta Carlos Peres. "O mais importante é que os pecuaristas possam exercer um regime de tolerância ao jaguar que possa ser financeiramente neutralizado por um sistema de compensação."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias