Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Coreia do Sul elege presidente nesta terça após meses em tumulto político

Loading...

GERAL

Coreia do Sul elege presidente nesta terça após meses em tumulto político

GUILHERME MAGALHÃES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quase dois meses depois do impeachment de Park Geun-hye, 31 milhões de sul-coreanos vão às urnas nesta terça-feira (9) para escolher um novo presidente na tentativa de encerrar meses de tumulto político desencadeado com o escândalo de corrupção envolvendo a ex-mandatária, uma amiga e os maiores conglomerados do país.

Derrotado por Park na eleição de 2012, o liberal Moon Jae-in (Partido Democrático, de centro-esquerda) deve ser eleito -ele lidera todas as pesquisas com uma margem de 20 pontos percentuais em relação ao segundo colocado.

O voto na Coreia do Sul não é obrigatório, e a Comissão Nacional Eleitoral espera uma taxa de comparecimento superior a 80% -26% dos eleitores já votaram antecipadamente no dia 4. Não há segundo turno.

O novo presidente assume já na quarta-feira (10) com dois grandes desafios: internamente, avançar com reformas que aumentem a transparência do governo, combalido após as denúncias contra Park. Presa no fim de março, ela é acusada de subornar empresas e foi a primeira presidente a sofrer impeachment desde a divisão da península Coreana, em 1948.

No campo externo, o novo líder sul-coreano terá pela frente -ou melhor, ao lado- uma Coreia do Norte cada vez mais belicosa e o processo de instalação do sistema americano antimísseis no sul.

Se eleito, Moon deve trabalhar por uma reaproximação com Pyongyang. Por exemplo, reabrindo o complexo industrial intercoreano de Kaesong -fechado por Park em fevereiro de 2016- e retomando o programa que leva turistas sul-coreanos ao monte Geumgang, no lado norte-coreano. "Tal postura poderia causar um relacionamento incômodo com os EUA", afirma o cientista político Chung-in Moon, da Universidade Yonsei de Seul.

Moon também critica a instalação do escudo antimísseis pelos EUA, que foi feita, segundo ele, de forma pouco democrática.

Dois candidatos brigam pelo segundo lugar: o conservador Hong Joon-pyo e o centrista Ahn Cheol-soo.

Hong é do mesmo partido de Park, o antigo Saenuri que em fevereiro deste ano foi renomeado para Coreia Liberdade. Defende adotar um tom mais duro com a Coreia do Norte e vê a aliança com os EUA como inquestionável.

Com cerca de 20% nas pesquisas, o conservador cresceu nos últimos dias apostando no apoio do eleitorado mais velho -13% da população sul-coreana tem mais de 65 anos, índice que chegará a 20% em 2026.

"Hong tem explorado habilmente uma divisão ideológica e geracional em relação às relações intercoreanas", diz o professor Moon.

"Conservadores de gerações mais velhas apoiam Hong porque se opõem à política reconciliatória com a Coreia do Norte. Hong inclusive tem dito que, se Moon for eleito, Trump abandonaria a aliança com a Coreia do Sul. Para os conservadores, uma postura de segurança mais dura é considerado mais importante que os erros cometidos por Park Geun-hye."

Buscando inspiração no recém-eleito presidente francês, Emmanuel Macron, o deputado centrista Ahn Cheol-soo, do Partido Popular, tenta se apresentar como uma opção ao establishment representado pelos dois maiores partidos de centro-esquerda e centro-direita.

"O povo francês optou por um novo futuro, eliminando a relação hostil mas simbiótica que existia entre os dois principais partidos. Eu acredito que os coreanos vão escolher mudar para o futuro também", afirmou Ahn.

Ele aparecia em segundo lugar nas pesquisas, em torno de 20%, durante grande parte das três semanas de campanha. Perdeu fôlego nos últimos dias depois de um desempenho ruim nos debates televisivos e foi ultrapassado por Hong Joon-pyo nas sondagens, ainda que dentro da margem de erro.

Correndo por fora na disputa estão a deputada do Partido da Justiça (esquerda) Sim Sang-jung e o deputado conservador Yoo Seong-min, que deixou o Coreia Liberdade em dezembro ao defender o impeachment de Park -ele e outros 28 deputados fundaram o Partido Bareun.

Para o cientista político da Universidade Yonsei, a ausência de um candidato com retórica populista se deve ao fato de que "nos EUA e na Europa, o populismo foi uma reação ao fracasso de políticas liberais moderadas. Mas, na Coreia, o conservadorismo falhou, então não há como depender de um populismo nacionalista conservador", diz Chung-in Moon.

Ele se refere aos quase dez anos em que a Coreia do Sul é governada pelo grupo conservador -antes de Park, eleita em 2012, o partido esteve no poder com Lee Myung-bak entre 2008 e 2013.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias