Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Decisão abre brecha para pena menor por crimes da ditadura na Argentina

Loading...

GERAL

Decisão abre brecha para pena menor por crimes da ditadura na Argentina

SYLVIA COLOMBO

BUENOS AIRES, ARGENTINA (FOLHAPRESS) - Uma controversa decisão da Corte Suprema argentina, que pode abrir precedente para a libertação prematura de mais de 700 repressores que estão atrás das grades, reavivou o debate sobre os julgamentos dos responsáveis pela violência de Estado na última ditadura militar (1976-1983).

Na última quarta-feira (3), por 3 votos contra 2, o tribunal máximo do país decidiu aplicar, no julgamento do repressor Luis Muiña, 61, a chamada "lei do 2 x 1". A legislação esteve em vigor por curto período, entre 1994 e 2001, e tinha como objetivo acelerar os julgamentos e impedir longos períodos de prisão preventiva.

Segundo seu texto, em processos que demorassem mais de um ano para receber uma condenação, cada ano que o réu ficasse esperando valeria por dois depois que a pena fosse emitida. Na prática, isso reduziria o tempo de cárcere pela metade.

Em seu texto original, porém, a legislação não contemplava os casos de lesa humanidade, como são considerados os crimes cometidos pelo Estado na Argentina, que adota o estabelecido pelo Estatuto de Roma.

A lei foi derrubada em 2001 porque não obteve êxito em acelerar processos. Ainda assim, os juízes decidiram aplicar o "2 x 1" no caso de Muiña, decisão que o colocou em liberdade.

Figura de escalão secundário na repressão, Muiña havia sido condenado, em 2011, a 13 anos de prisão por sequestrar e torturar cinco pessoas no hospital Posadas, local usado para este fim durante o governo de Reynaldo Bignone (1982-1983), último presidente do regime ditatorial que hoje, aos 89, está preso.

Líderes de organizações de direitos humanos protestaram contra a decisão. "Querem apagar a história e criar um novo relato sobre o que ocorreu nos anos 1970", disse Estela de Carlotto, criadora das Avós da Praça de Maio, organização que busca identificar os filhos de sequestrados nascidos em cativeiro.

Já o Nobel da Paz Adolfo Pérez Esquivel disse que a decisão se "parece aos indultos de Menem", fazendo alusão ao período em que o ex-presidente Carlos Menem (1989-1999) anulou os julgamentos de repressores e guerrilheiros realizados até ali, deixando-os em liberdade. Durante o kirchnerismo, esses indultos foram por sua vez anulados e os julgamentos, reiniciados.

A Corte Suprema justificou sua decisão afirmando que, no caso de Muiña, cabia usar o princípio de "lei de pena mais benigna", como também se denomina o "2 x 1", por conta do tempo em que o acusado havia permanecido à espera de uma condenação.

REPERCUSSÃO POLÍTICA

O caso ganha peso no debate político neste ano eleitoral. Dois dos três juízes que votaram a favor da redução penal de Muiña foram os nomeados de forma polêmica por Mauricio Macri assim que assumiu a Presidência, no final de 2015.

Sem consultar previamente o Congresso, Macri apontou dois nomes para postos vagos na Corte Suprema, que apenas depois disso foram referendados pelo Senado. Hoje conhecidos como "os juízes de Macri", os dois foram definitivos para a aplicação do "2 x 1" contra Muiña.

O governo, porém, reagiu de forma contrária à aplicação da medida, na tentativa de evitar o desgaste de sua relação com as entidades de direitos humanos.

Na tarde de quinta-feira (4), o ministro de Justiça, Germán Garavano, e a vice-presidente, Gabriela Michetti, disseram que respeitam as decisões da Corte Suprema, mas que o governo não era a favor da redução de penas.

"Sempre estivemos contra a lei do 2 x 1, que não deveria ser aplicada nem para delinquentes comuns, nem para violadores e nem para repressores que tenham cometido delitos de lesa humanidade", disse a vice-presidente a jornalistas.

Já Garavano classificou a lei como "muito ruim" e sua aplicação, pouco apropriada, uma vez que já não está em vigor. Reafirmou, porém, que o governo respeitava as decisões da Corte Suprema.

As organizações de direitos humanos pretendem levar o caso para a Corte Interamericana de Direitos Humanos.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias