Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Nº 3 de facção é condenado a mais de 47 anos de prisão por morte em SP

Loading...

GERAL

Nº 3 de facção é condenado a mais de 47 anos de prisão por morte em SP

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, foi condenado nesta segunda-feira (3) a 47 anos, sete meses e 15 dias de prisão por homicídio e formação de quadrilha. Considerado pela polícia o número três da facção PCC (Primeiro Comando da Capital), ele não compareceu ao tribunal e está foragido.

Gegê foi solto no início de fevereiro, dias antes do seu julgamento, após sua defesa conseguir reverter prisões provisórias por crimes como homicídio, formação de quadrilha e tráfico de drogas. No dia 20, ele não compareceu ao tribunal, provocando o adiamento do júri e se tornando fugitivo.

Nesta segunda, ele voltou a faltar no julgamento, mas o juiz Luis Gustavo Esteves Ferreira, manteve a sessão à revelia, condenando-o por homicídio triplamente qualificado -meio cruel, motivo torpe e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima- e formação de quadrilha armada.

Segundo o Tribunal de Justiça, Gegê foi flagrado em interceptação telefônica planejando e ordenando que outros integrantes do PCC matassem duas pessoas em outubro de 2004. Ele estava preso na ocasião.

"Para a fixação da pena, o juiz levou em consideração, entre outros fatores, os péssimos antecedentes criminais do acusado, sua conduta social e personalidade voltadas a práticas delituosas no âmbito de perigosa organização criminosa e demais circunstâncias judiciais previstas no art. 59 do Código Penal", aponta o TJ.

Hoje, Gegê está entre os mais procurados do Estado. Segundo seu perfil no site da SSP (Secretaria de Segurança Pública), ele é "extremamente perigoso", cumpria pena por diversos crimes, no regime fechado, desde o ano de 2000 e esteve envolvido na morte de um juiz-corregedor de Presidente Prudente (SP), em 2003.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias