Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Câmara pode votar nesta 3ª projeto federal que limita ação da Uber

Loading...

GERAL

Câmara pode votar nesta 3ª projeto federal que limita ação da Uber

RANIER BRAGON

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O plenário da Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (4) projeto de lei federal que regulamenta o funcionamento de aplicativos de transporte por carros particulares, como Uber, 99, Easy e Cabify.

Parlamentares alinhados às teses defendidas pelos taxistas -categoria diretamente afetada pelo surgimento desses aplicativos- defendem um texto que autorize as prefeituras a regulamentar esse serviço, observadas várias restrições.

Entre elas, identificação e limite do número de carros por cidade, tabela de preço mínimo e máximo a ser cobrado do usuário e necessidade de autorização das prefeituras para o funcionamento do serviço.

Já o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), inclina-se por um texto mais alinhado à posição das empresas donas dos aplicativos, o de que o projeto federal deve apenas autorizar as prefeituras a regulamentar o serviço. Embora algumas cidades, como São Paulo, já tenham regras de funcionamento, há o argumento de que é necessária uma legislação federal que autorize os municípios a legislar sobre o tema.

"A Câmara deixará claro que a responsabilidade pela concessão de táxis e de qualquer aplicativo relacionado a transporte privado é exclusiva dos municípios", disse Maia.

As empresas donas dos aplicativos defendem que o projeto federal apenas autorize as prefeituras a regulamentar o serviço, sem nenhuma indicação restritiva. Em linhas gerais, dizem que cada cidade tem suas próprias características e que as limitações estudadas inviabilizariam o serviço, transformando-o em uma modalidade similar à dos táxis.

"A gente vê o texto novo [posição de Maia, sem indicação de restrições] é melhor do que o antigo [com as restrições], que era uma proibição velada. Mas emendas durante a votação podem incluir proibições que podem fazer com que o serviço não funcione adequadamente", disse o diretor de Comunicação da Uber no Brasil, Fábio Sabba.

A empresa enviou nesta segunda (3) convite aos deputados federais para que eles acompanhem um usuário e um motorista em uma viagem antes de votarem o projeto. E, aliada a outras empresas, fez mobilização nas redes sociais contra a tentativa de restringir a ação dos aplicativos.

Matheus Moraes, diretor de política e comunicação da 99, disse que a empresa é a favor da regulamentação, mas que a versão com restrições "acaba com a categoria de transporte por carro particular, transformando todos os carros particulares em táxis."

Já as categorias que representam os taxistas defendem a versão mais restritiva do projeto sob o argumento de que a Uber e similares praticam uma concorrência desleal.

"São milhares de taxistas prejudicados por uma concorrência desleal que essas empresas oferecem, prestando um serviço sem qualquer fiscalização, sem qualquer regra a ser cumprida, sem garantias de segurança aos passageiros. Essa situação precisa acabar", disse em nota o presidente da Abracomtaxi (Associação Brasileira de Associações e Cooperativas de Motoristas de Táxis), Edmilson Americano.

TRAMITAÇÃO

O plenário da Câmara deve aprovar nesta terça um requerimento para que o tema tramite em regime de urgência. Se aprovado, o projeto pode ser votado ainda nesta terça. Ele tem que passar ainda pelo Senado e ser sancionado pelo presidente Michel Temer para virar lei.

Relator do projeto de regulamentação e mais alinhado às teses dos taxistas, Carlos Zarattini (SP), que é líder da bancada do PT na Câmara, afirma que Rodrigo Maia está procurando um texto de consenso. "Ele busca uma média entre o que a gente quer e o que a Uber quer. A Uber não quer que regulamente nada, a gente quer", disse.

O presidente da Câmara, porém, deve indicar outro deputado para relatar o projeto em plenário.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias