Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Erguida sobre palafitas no Pará, "cidade do pedal" usa bike até como ambulância

Loading...

GERAL

Erguida sobre palafitas no Pará, "cidade do pedal" usa bike até como ambulância

SÉRGIO RANGEL, ENVIADO ESPECIAL

AFUÁ, PA (FOLHAPRESS) - Quarta-feira, 23h47, um paciente com a perna quebrada é colocado numa "bicilância" para ser transferido para Macapá. Ele é levado por cerca de 500 metros num quadriciclo improvisado como ambulância, do hospital da cidade ao porto. De lá, deixa terras paraenses e segue de lancha até a capital do vizinho Amapá.

Na tarde do mesmo dia, três policiais patrulhavam de "magrela" o bairro do Capim Marinho, um dos mais violentos do município.

No dia seguinte, por volta das 20h, pilotos de "bicitáxis" se aglomeram em torno do cais esperando a chegada dos passageiros do Amapá.

No lado noroeste do arquipélago marajoara, formado por milhares de ilhas, Afuá é a cidade do pedal. Em linha reta, ela fica a 256 km de Belém e a 79 km de Macapá.

Erguido sobre palafitas (estacas que sustentam habitações construídas sobre a água) para escapar dos efeitos das marés, o município paraense faz da bicicleta o principal meio de transporte. Lá, é proibido por lei o tráfego de carros e veículos motorizados.

As estreitas ruas convivem com o vaivém diário de ciclistas. Chamada de Veneza do Marajó, a cidade de quase 40 mil habitantes tem quase uma bicicleta por pessoa na área urbanizada, onde vive metade da população.

O restante mora em áreas ribeirinhas e usa os barcos para se locomover. Na sede, até a polícia faz a sua ronda de bicicleta. As perseguições também são feitas no pedal.

Os moradores são habilidosos. Quase todos conseguem guiar e segurar uma sombrinha para se proteger do sol forte ou das chuvas.

As crianças também cruzam a cidade pedalando.

"Não queremos o carro aqui. Nossa ruas não suportariam o peso deles. A opção pelo pedal foi acertada. Além disso, a bike nos obriga a fazer um exercício e manter a saúde", afirma Valdinei Garcia, 20, que trabalha como "bicitaxista" na cidade.

O "bicitáxi" foi criado por um morador nos anos 90. Começou como um triciclo. Hoje, os donos juntaram duas bicicletas e criam um quadriciclo, usado para transportar idosos com dificuldade para locomoção, moradores com malas e visitantes.

O posto médico local também tem a sua "bicilância" para socorrer os pacientes.

PONTES

Construída em cima de uma área de várzea, a cidade tem palafitas para evitar ficar com ruas e casas alagadas por causa da maré, que oscila durante o dia inteiro.

As residências são quase todas de madeira. Como as ruas não têm calçadas, os moradores levantam "pontes" para entrar nas suas casas.

"Essa foi a solução criativa encontrada pelos moradores para habitar aquela região, que tem uma cota baixa, quase quatro metros abaixo do nível do mar. A cidade está sempre desafiando a água", diz o professor Ronaldo Marques de Carvalho, da faculdade de arquitetura da Universidade Federal do Pará.

Distante cerca de quatro horas de barco de Macapá e um dos 16 municípios do arquipélago do Marajó, Afuá tem índices sociais baixos --46% da população em pobreza extrema, segundo a Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas.

Não há rede de esgoto, e os dejetos das casas são despejados no solo e no rio.

Açaí (base da culinária local), palmito, camarão e peixes são as principais fontes de renda da população.

Apenas seis PMs são responsáveis pela segurança do município. Com a escala, só três trabalham por dia.

Furtos de casas e bicicletas são diários. Na cidade há até um desmanche do veículo.

FERRARI DE MADEIRA

Pela manhã e no final da tarde, o trânsito chega a ficar intenso nas ruas principais.

A prefeitura já até tentou ordenar o tráfego nos cerca de 30 km de ciclovias, mas desistiu da ideia. Os acidentes são raros. A agitação fica ainda maior no centro com a trilha sonora de sucessos do carimbó saindo dos alto-falantes espalhados pela rádio comunitária local.

Os moradores também gostam de enfeitar as bicicletas e os quadriciclos. Alguns chegam a gastar R$ 10 mil para construir seus "carros".

O vendedor Orderdey Monteiro Lobato, 36, é o dono da "única Ferrari" da cidade. Ele demorou um ano para fazer um quadriciclo de madeira inspirado nos carros da montadora italiana.

"Sempre quis ter um carro, mas aqui é impossível. Por isso, dei o meu jeito. Posso dizer que sou um dos poucos que têm carro em Afuá", brinca Lobato, que costuma pedalar com o veículo pelas palafitas da cidade nos finais de semana com a mulher.

Durante o período das cheias do rio Amazonas e de seus afluentes, a água chega a tomar conta das ruas da cidade por horas em março. O fenômeno chamado de lançante é comemorado pela maioria da população.

"É uma festa para as crianças. Quem mora aqui considera que a água é vida. Então, teremos vida pra sempre. Basta olhar em volta", disse o batedor de açaí Arlindo Batista Pureza Júnior, 44, antes de subir na sua bicicleta.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias