Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conselho de Segurança Nacional dos EUA vive incerteza após saída de Flynn

Loading...

GERAL

Conselho de Segurança Nacional dos EUA vive incerteza após saída de Flynn

ISABEL FLECK

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O Conselho de Segurança Nacional do governo do presidente Donald Trump já era um problema antes de se tornar um problema maior ainda, com a queda do homem que o comandava, o general reformado Michael Flynn, na última segunda-feira (13).

O comitê, que reúne os altos representantes de todas as agências norte-americanas com foco em segurança nacional, é o principal órgão para deliberação sobre o tema e sobre política externa -e por esse motivo as mudanças feitas por Trump em sua estrutura são alvo de crítica até hoje.

Na mais controversa delas, o republicano colocou seu estrategista-chefe, Stephen Bannon, como membro permanente do Conselho, e "rebaixou" o comandante do Estado-Maior das Forças Armadas, o general Joseph Dunford, e o diretor de Inteligência Nacional, posto ocupado interinamente por Michael Dempsey, fazendo com que eles sejam convocados apenas quando o assunto em questão lhe disser respeito diretamente.

O cargo ocupado por Dunford é o mais alto das Forças Armadas americanas e o principal interlocutor militar com a Casa Branca.

Trump havia mudado o status do diretor da CIA (inteligência americana) também de dentro do Conselho, mas resolveu torná-lo um membro permanente de novo após uma enxurrada de críticas.

Para a especialista em Segurança Nacional do Council on Foreign Relations Rebecca Lissner, a inclusão de Bannon no conselho é "profundamente preocupante".

"Não há nenhum precedente de que assessores políticos participem nas reuniões do Conselho de Segurança Nacional como membros permanentes", disse. "Além das opiniões pessoais de Bannon, essa é uma questão fundamental, porque as decisões de segurança nacional devem ser feitas principalmente sobre os méritos substantivos e não políticos, uma vez que vidas estão literalmente em jogo."

Bannon é mais conhecido por suas posições de política doméstica, com uma visão nacionalista e populista sobre imigração e comércio. Mas seu interesse pela política externa pode ser visto a partir da cobertura do site de notícias ultraconservador Breitbart, que ele dirigia até agosto: apoio a movimentos nacionalistas em outros países e a defesa de uma abordagem mais radical contra o terrorismo, que inclui apertar o cerco contra comunidades islâmicas.

O cientista politico Darrell West, do centro de estudos Brookings, concorda que a presença de Bannon pode ser nociva. "Ter um consultor político no Conselho é ter o risco de politizar as deliberações do conselho e fazer más escolhas. É mais importante que os militares e as pessoas de inteligência tomem decisões do que os assessores políticos", disse à Folha.

O porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, ao justificar a mudança que inclui Bannon lembrou que ele foi um oficial da Marinha, "com um tremendo entendimento do mundo e do cenário geopolítico de hoje".

Com a saída de Flynn, após um escândalo envolvendo a discussão de sanções com o governo russo antes mesmo de Trump assumir, o temor é que Bannon ganhe ainda mais espaço nessa transição -e em meio a tensões crescentes com a Coreia do Norte e com o Irã.

Por enquanto, assume o posto interinamente o general Joseph Keith Kellogg, que serviu por mais de 30 anos nas Forças Armadas, tendo ajudado a comandar a coalizão que governou o Iraque em 2003 e 2004. Segundo a Bloomberg, ele depois trabalhou para uma empresa de defesa com contratos com o governo americano.

De acordo com a Associated Press, Kellogg estaria entre as opções para substituir Flynn definitivamente. As outras seriam Robert Harward, ex-número dois do Comando Central -braço das Forças Armadas responsável por áreas que incluem Iraque e Afeganistão- e o ex-diretor da CIA David Petraeus, que deixou o posto em 2012 depois da revelação de que ele havia passado informações secretas para sua biógrafa -que também era sua amante.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 20/02

FABRÍCIO FERRAZ FRANCO, 18 anos
PAULO CESAR RECHE ACOSTA, 59 anos 

APUCARANA 19/02

LAZARO HESS, 61 anos 
LUIZ ANTONIO AMADO, 64 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1904 · 18/02/2017

12 15 18 21 51 56