Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Marchinha antiassédio diz que farra é delícia, mas na marra é caso de polícia

Loading...

GERAL

Marchinha antiassédio diz que farra é delícia, mas na marra é caso de polícia

FERNANDA MENA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Ativistas e coletivos feministas lançaram nesta segunda (13) a marchinha de Carnaval "Se Você Quiser", que alerta os foliões sobre a prática de assédio na maior festa de rua do país.

A ação é um desdobramento da campanha #CarnavalSemAssédio, realizada em 2016 por várias organizações e mulheres para educar os homens sobre a diferença entre paquera e assédio.

A música, interpretada por Bruna Caram e Chico César, foi registrada em um videoclipe produzido, dirigido e editado por uma equipe feminina e feminista.

A letra, de Pedro Abramovay e Gustavo Moura, diz: "não importa o que é que você vai vestir, eu não vou te tocar sem você consentir" e "beijar, cair na farra, é mesmo uma delícia/ é que se for na marra, é caso de polícia".

"É difícil fazer uma marchinha de Carnaval, que é um momento alegre, falando de desigualdade e opressão. Os compositores acharam um jeito bonito de fazer isso, falando sobre o direito de todos", avalia Manoela Miklos, ativista e integrante do #AgoraÉQueSãoElas, blog feminista publicado no site da Folha. "Muitos homens acham que não podem mais falar sobre feminismo e aí estão homens falando algo que deveria ser o óbvio, mas não é."

A letra faz referência à ideia de concessão. "Quero o seu amor, se você quiser / Me olha, me beija, me molha, que isso é tão gostoso quando a gente quer / Mas se não quiser, meu bem, tudo bem / Vou pra lá pra ladeira, procurar por alguém que me queira". Em outro trecho, a letra diz: "Se o rapaz chegar, com esse papo de assédio /Pode até pedir a mão dela, mas só vai levar é o seu dedo médio /Não tem brincadeira, quando um não quer / E venha, e veja e beija / Contanto que seja o que ela quiser".

"É um samba de boa qualidade, gostoso e que tem a mensagem correta sem ser careta nem pesado. Tem tudo pra virar um hit de Carnaval", anima-se Nana Queiroz, diretora da revista "AzMina". "É um exemplo legal de como os homens podem ajudar na luta feminista sem roubar o palco ou o microfone das mulheres."

A publicação feminista, uma das responsável pela campanha de 2016, lançou para o Carnaval 2017 a hashtag #UmaMinaAjudaAOutra a partir das denúncias de mulheres agredidas ao reagirem a situação de assédio e abuso sexual.

"A ideia é que as mulheres não precisem enfrentar o assédio sozinhas. Que elas contem umas com as outras. A gente incentiva a irmandade feminina, as mulheres se juntarem em grupos grandes para reagir a tentativas de assédio sexual, de forçar beijos e qualquer outro ato libidinoso não consentido", explica Queiroz.

"A ideia é que ninguém faça isso só, para que ninguém seja vítima."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias