Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Rua parecia um rio, só tinha cabeça pra fora', diz rapaz após chuva em SP

Loading...

GERAL

'Rua parecia um rio, só tinha cabeça pra fora', diz rapaz após chuva em SP

GIBA BERGAMIM JR. E PAULO SALDAÑA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - "Ouvi um estrondo, corri pra ver e parecia cena de filme. A rua parecia um rio, e só tinha cabeça pra fora." O relato do gerente de produção Rodrigo Severino, 36, é de um dos momentos dramáticos da enxurrada que derrubou um muro e deixou 41 feridos em uma festa universitária de estudantes de medicina, na tarde desta quarta-feira (1º), na zona leste de São Paulo.

No forte temporal que atingiu a região, um córrego transbordou. A água chegou com força à chácara onde havia uma celebração para calouros da Faculdade Santa Marcelina. Um muro cedeu, levando alunos e carros a serem arrastados -assim como mochilas, documentos e até instrumentos musicais. Severino, morador da rua atingida, ajudou no socorro.

"A água que estava represada começou a levar tudo. Ficamos com água na cintura. Conseguimos subir numa mureta e no palco que havia no local. Em seguida, uma parte do salão cedeu e várias pessoas foram arrastadas", diz Alexandre Campos Pereira Maia, 21, do 3º ano de medicina.

"A gente viu o muro cedendo e gente sumindo. Só depois da recontagem e vimos que todos estavam salvos", conta. "Começamos a sentir choques, não muito fortes, mas pensamos que todos poderiam morrer eletrocutados. Daí corremos com a correnteza", relata Gustavo Alem Melo Ferreira, 21, estudante que sofreu um corte na perna.

A festa começou ao meio-dia e terminaria às 22h. O evento ocorre tudo ano como forma de receber os calouros.

"Por volta das 16h30, um portão e o muro estouraram e foram arrastando tudo, ficamos com água até o meio da cintura. Subi numa mureta e no palco que havia no local. Em seguida, uma parte do salão cedeu e várias pessoas foram arrastadas", disse Alexandre Campos Pereira Maia, 21, que cursa o terceiro ano de medicina.

"Quem tinha celular à mão começou a ligar, acionamos polícia, Samu e ligamos para um professor nosso que atua no Samu. Aí veio o socorro ", prosseguiu. Segundo ele, a chuva era muito forte no momento em que o córrego transbordou e arrastou o muro e as pessoas. "A gente viu o muro cedendo e pessoas sumindo. Só depois que fizemos uma recontagem notamos que todos estavam a salvo", afirmou.

"A hora mais preocupante foi quando vimos que poderia haver desaparecidos", complementou Carolina Bruno Valente, 22, também estudante do terceiro ano.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

MARUMBI 28/02

VALDIR RIVELINI, 58 anos

APUCARANA 28/02

GABRIEL BENEDITO REIS DE OLIVEIRA, 20 anos 
GERALCINO GUIMARÃES DE SOUZA, 74 anos 
NATIMORTO, 0 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1907 · 25/02/2017

03 25 35 38 44 48