Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

May indica 'brexit' duro e Reino Unido deve deixar mercado comum europeu

Loading...

GERAL

May indica 'brexit' duro e Reino Unido deve deixar mercado comum europeu

DIOGO BERCITO

MADRI, ESPANHA (FOLHAPRESS) - Theresa May, premiê britânica, disse nesta terça (17) que não está interessada em um acordo que deixe o Reino Unido "meio dentro, meio fora" da União Europeia.

Com isso, ela indicou que prefere o que analistas têm chamado de "brexit duro", em que o Reino Unido retomará o controle de suas fronteiras e abandonará o mercado comum europeu.

May disse não querer ser "membro parcial" da união "ou qualquer coisa que nos deixe meio dentro, meio fora" dela. "Nós não buscamos nos agarrar a pedaços da associação enquanto saímos."

Em vez do mercado comum, ela propôs chegar a um acordo de livre comércio com a União Europeia. Ela afirmou que já há países interessados em acordos de comércio com o Reino Unido, citando o Brasil.

Esse foi seu primeiro grande discurso desde o plebiscito que decidiu o "brexit", em junho. A premiê era criticada por não ter apresentado uma visão clara do processo.

May delineou algumas de suas estratégias para quando enfim acionar o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, dando o início formal à separação.

Ela reiterou que o Reino Unido vai de fato retirar-se da união, em resposta aos pedidos de um segundo plebiscito. May deve dar início à saída até o fim de março.

O processo tomaria até dois anos. May anunciou, em seu discurso, que o Parlamento irá votar o acordo final antes que entre em vigor. Ela propôs, também, uma transição feita em fases.

A opção por um "brexit duro" preocupa investidores. O mercado comum europeu, que o Reino Unido pretende deixar, congrega 500 milhões de consumidores.

A decisão causa ansiedade, por exemplo, para exportadores -que perderão o acesso livre ao mercado- e para bancos britânicos que servem clientes no bloco.

A isso se somaria o controle das fronteiras, as restrições ao movimento de cidadãos europeus e a saída da Corte Europeia de Justiça. O controle à migração foi justamente um dos temas centrais do voto pelo "brexit", em campanhas aversas à circulação de pessoas.

VALORES

Apesar das sugestões de um "brexit duro", May apresentou uma visão em que o Reino Unido será "global". Ela disse que o Reino Unido é hoje uma das nações mais multiculturais na Europa.

"Quero que sejamos um país seguro, próspero e tolerante. Um ímã para talento internacional e um lar para os pioneiros e inovadores que vão moldar o mundo."

A premiê britânica afirmou, também, que o voto por deixar a União Europeia "não foi uma rejeição dos valores que compartilhamos". "[A decisão] não representa um desejo de nos tornarmos mais distantes de vocês, nossos amigos e vizinhos."

DOMINÓ

Espera-se que as negociações do "brexit" sejam as mais complicadas na história europeia desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e que afetem não apenas o futuro do Reino Unido, mas o de todo o bloco econômico.

Há temores, por exemplo, de que outros países sigam o exemplo britânico e deixem a união. Marine Le Pen, da extrema direita francesa, pode defender essa decisão caso seja eleita à Presidência nas eleições de abril.

Donald Trump, presidente eleito dos EUA, afirmou em entrevista publicada no final de semana que o "brexit" terá consequências positivas e que outras nações podem tomar o mesmo caminho. Ele ofereceu um acordo bilateral com o Reino Unido após sua posse, na sexta (20).

Em uma aparente resposta aos comentários de Trump, porém, May afirmou durante seu discurso que o Reino Unido torce para o sucesso da União Europeia, e não para o seu desmoronamento.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias