Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Polícia grega está no Rio para investigar morte de embaixador

Loading...

GERAL

Polícia grega está no Rio para investigar morte de embaixador

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A polícia da Grécia está no Rio de Janeiro para participar da investigação da morte do embaixador grego Kyriakos Amiridis.

Dois investigadores do governo grego e um da Interpol desembarcaram no Rio no último domingo (1). Nesta segunda, reuniram-se com a equipe da Divisão de Homicídios do Estado para tomar conhecimento do andamento da investigação.

Nos próximos dias, farão visitas aos locais mais importantes, como o apartamento onde o embaixador teria sido morto e o local onde seu corpo foi encontrado incinerado dentro de um carro.

"Estamos mostrando a eles como fizemos a apuração para que tenham real noção de que trata-se de um caso isolado. Não abrimos mão de nossa atribuição de investigar, mas é útil que eles tenham acesso para que possam nos ajudar com alguns informações que ainda não conseguimos", diz o chefe da Divisão de Homicídios, Rivaldo Barbosa.

A polícia do Rio suspeita que a mulher do embaixador, Françoise de Souza Oliveira, 40, tenha planejado a morte dele. O amante dela, o policial militar Sérgio Gomes Moreira Filho, 29, confessou tê-lo matado. Segundo as investigações, ele convocou seu primo, Eduardo Moreira, 24, para ajudá-lo a se desfazer do corpo. Imagens de câmeras de segurança mostram os dois entrando e saindo da casa do embaixador na noite do seu desaparecimento. Investigadores acreditam que, ao deixar a casa, levavam no carro o corpo do embaixador.

Os três suspeitos estão presos temporariamente.

Em depoimento à polícia, Françoise negou que tenha planejado o crime. Ela disse que tinha uma relação extraconjugal havia seis meses com o soldado da PM, e que foi ele o autor do crime. Segundo ela, ele não aprovava a relação dela com o marido. Disse ainda que sofria agressões físicas do embaixador.

Segundo as investigações, Kyriakos Amiridis foi morto na própria casa e, na sequência, seu corpo foi retirado do local pelo policial militar e levado no próprio carro alugado pelo embaixador a um local onde foi queimado junto com o veículo.

Em depoimento, o policial militar negou que o ato tivesse sido premeditado e disse que foi resultado de uma luta corporal entre os dois.

A polícia diz não acreditar na versão de Françoise. O delegado responsável pelo caso, Evaristo Pontes, afirma ter provas do envolvimento dela, mas não divulgou quais são os indícios que a incriminam. Parte da suspeita tem base no depoimento do primo do soldado, Eduardo Moreira, 24, também preso temporariamente. A polícia o acusa de ter sido cúmplice do crime ao ajudar o primo PM a se desfazer do corpo do embaixador.

Em seu relato, Eduardo afirmou que Françoise havia oferecido R$ 80 mil para que ele participasse do assassinato, valor que seria pago 30 dias após o assassinato. Embora enfatize serem investigações preliminares, a polícia trabalha com a hipótese de que o crime tenha sido planejado pelo casal para que a viúva herdasse seus bens.

DESAPARECIMENTO

O embaixador morava em Brasília, mas o casal mantinha um apartamento em Nova Iguaçu, cidade onde vivem os parentes de Françoise. O embaixador estava de férias no Rio até o próximo dia 9, quando deveria voltar ao trabalho na embaixada em Brasília.

Ele fora visto pela última vez na segunda-feira (26). Foi a própria viúva do embaixador que comunicou o sumiço do marido à Polícia Federal, dois dias depois. De imediato, a PF avaliou que o desaparecimento não tinha relação com a atividade diplomática de Amiridis no Brasil. Por isso, o caso foi encaminhado à Polícia Civil, que tem um setor específico para investigações de desaparecimentos.

Na noite de quinta (29), um corpo foi encontrado dentro de um carro cuja placa era a mesma do veículo que havia sido alugado pelo diplomata. O veículo estava queimado, sob um viaduto, no bairro da Figueira, em Nova Iguaçu. Posteriormente, a polícia confirmou que o corpo era dele.

Na sexta (30), os três suspeitos foram ouvidos pela polícia, que pediu a prisão temporária, concedida pela Justiça na mesma noite.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1905 · 21/02/2017

29 35 43 54 56 57