Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Deputada ítalo-brasileira defende reforma constitucional na Itália

Loading...

GERAL

Deputada ítalo-brasileira defende reforma constitucional na Itália

- Atualizado em 01/12/2016 08:40

DIOGO BERCITO

MADRI, ESPANHA (FOLHAPRESS) - Encerra-se nesta quinta-feira (1º) o prazo para que brasileiros com cidadania italiana votem a distância no referendo constitucional de domingo (4). As cédulas, recebidas por correio, devem chegar ao consulado até as 16h.

A ítalo-brasileira Renata Bueno, deputada na Itália, estima que 30% dos 400 mil eleitores no Brasil votaram.

"Eles não participam do dia a dia da vida política", diz em entrevista à Folha de S.Paulo. Mas, nesses momentos, querem exercer a cidadania. É quando se sentem italianos."

Bueno foi eleita em 2013 para a Câmara dos Deputados da Itália como uma das representantes dos italianos no exterior, na circunscrição da América do Sul. Ela defende a reforma proposta pelo premiê Matteo Renzi.

"É o coração das reformas de que a Itália está precisando. Já fizemos diversas reformas no Parlamento, mas esse é o esqueleto de tudo."

A participação, segundo Bueno, é "fundamental". Entre outras coisas, porque demonstra o interesse pelo país por parte de quem tem a cidadania italiana. "Tentei divulgar ao máximo quais são os pontos da reforma e qual é a intenção do governo."

REFORMAS

O premiê Renzi propõe, com o referendo, 47 alterações na Constituição italiana.

A mais importante delas reduz o número de senadores de 315 para 110 e transforma o Senado em um órgão de consulta. O Senado não poderá mais, por exemplo, dissolver um governo ou aprovar o orçamento anual.

Essa reforma também prevê a centralização do poder em Roma e o esvaziamento das entidades regionais.

Uma das justificativas dadas pelo premiê Renzi é a necessidade de enxugar o governo para que se torne mais eficiente. Assim, poderá lidar melhor com os desafios enfrentados pelo país.

Os críticos à reforma, porém, afirmam que as mudanças não resolvem as questões urgentes, como o baixo crescimento econômico. O PIB (Produto Interno Bruto) deve crescer 0,8% neste ano.

O texto do referendo é considerado pelos eleitores, ademais, como muito abstrato. Uma pesquisa divulgada pela TV italiana Rai apontou que apenas 17% da população "conhece bem" a reforma e que 46% deles tem uma ideia "superficial".

Outro desafio do governo é que o referendo está sendo apresentado, na Itália, como um voto de aprovação ou reprovação do premiê Renzi.

Ele ameaçou renunciar ao cargo, caso seja derrotado, o que pode ter estimulado essa ideia. Espera-se um grande número de votos de protesto.

"Houve mais polêmica do que discursos explicativos", segundo Bueno. "A oposição não argumentou de maneira técnica, o que acabou desgastando muito o debate."

"As pessoas se cansam de ficar nesse bate-boca, em vez de ter uma discussão que instruísse o voto", afirma.

O mandato de Bueno deve encerrar-se em fevereiro de 2018. Mas, caso o "não" vença e o governo tenha que ser dissolvido, ela deixará o seu cargo antes do previsto.

"O referendo vai mudar muita coisa. Vença o 'sim' ou o 'não', será um novo momento para a Itália", afirma.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 03/12

ALTAIR RAIMUNDO DE SOUZA, 46 anos
AMADEU FERNANDES, 58 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1882 · 03/12/2016

09 10 19 35 37 41