Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para ministro, mortes de detentos em presídios é situação 'gravíssima'

Loading...

GERAL

Para ministro, mortes de detentos em presídios é situação 'gravíssima'

- Atualizado em 17/10/2016 22:24

GUSTAVO URIBE

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, classificou nesta segunda-feira (17) como uma situação "gravíssima" as mortes de ao menos 18 detentos em confrontos entre facções criminosas em presídios de Roraima e Rondônia.

Segundo ele, uma delegação do Departamento Penitenciário Nacional foi destacada pelo governo federal para avaliar a gravidade da situação nas unidades prisionais.

O ministro disse que, por enquanto, ainda não houve pedidos dos governos estaduais de envio de reforço da Força Nacional ou de transferência de presos para outros presídios do país.

"Há uma delegação do Depen [Departamento Penitenciário Nacional] se locomovendo para que nós possamos ver a gravidade da situação. E, a partir daí, tomar as medidas necessárias. Obviamente, que a situação é gravíssima com as mortes", disse.

As primeiras mortes ocorreram em rebelião na tarde de domingo (16) na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, na zona rural de Boa Vista (RR). O conflito deixou dez detentos mortos.

Na madrugada desta segunda-feira (17), houve uma nova rebelião na Penitenciária Ênio dos Santos Pinheiro, em Porto Velho (RO), onde oitos presos morreram asfixiados.

Os detentos mortos tinham idade máxima de 30 anos, setes corpos foram empilhados e queimados, o que dificultou o trabalho da perícia para a identificação.

FRONTEIRA

O ministro avaliou a situação após reunião com a prefeita eleita de Boa Vista (RR), Teresa Surita (PMDB), ex-mulher do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que também participou do encontro.

O encontro teve como objetivo discutir o fluxo migratório de venezuelanos para os municípios que ficam na divisa do Brasil com a Venezuela.

Os estrangeiros têm atravessado a fronteira para fazer compras, por conta escassez de produtos no país vizinho. O fluxo tem afetado os serviços de saúde e limpeza dos municípios brasileiros, que não têm conseguido atender à grande demanda de estrangeiros.

"As pessoas viajam para fazer compras, mas às vezes acabam retardando esse processo e ficam mais que um dia, sendo que o município não tem condições de suportar essa demanda de serviços da comunidade", disse o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Para avaliar a situação, o Ministério da Justiça enviará na semana que vem uma comissão para os municípios em questão.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 09/12

HELENA CORREA DE ANDRADE, recém-nascida

MAUÁ DA SERRA 09/12

CLAUDENIR COELHO SOARES, 35 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1883 · 07/12/2016

16 27 28 47 59 60