Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Possível fim de centros psiquiátricos gera protestos na Santa Casa de SP

Loading...

GERAL

Possível fim de centros psiquiátricos gera protestos na Santa Casa de SP

PAULO GOMES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cerca de 250 pessoas se reuniram nesta segunda-feira (17) na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo para protestar contra o possível fechamento do CAISM (Centro de Atenção Integrada à Saúde Mental) e do centro de atendimento a pacientes com autismo -ambos na Vila Mariana (zona sul), mas geridos pela Santa Casa.

O provedor da Santa Casa, José Luiz Setúbal, nega a possibilidade de fechar ambos os centros, mas admite que pode ceder a gestão do hospital psiquiátrico por causa de dívidas.

O hospital passa pela maior crise financeira de sua história e, endividado, tem passado por um gradual encolhimento de sua estrutura, com corte de pessoal, paralisações e a interrupção de parte dos serviços prestados. O CAISM, referência no atendimento psiquiátrico público na cidade, é o mais recente ameaçado pela crise.

Entre os manifestantes desta segunda estavam estudantes de Medicina da Santa Casa, mães de pacientes e funcionários do centro.

Setúbal conversou com o público presente. "A situação da Santa Casa e do CAISM é lamentável", diz.

Segundo o provedor, o centro psiquiátrico gera um prejuízo de R$ 700 mil por mês. O convênio com o governo do Estado vence ao final do ano e, sem um reajuste no repasse, a Santa Casa afirma não ter condições de manter a gestão do local -endividado, o hospital já tem que pagar R$ 10 milhões por mês apenas em juros. A instituição aguarda ainda a liberação de um empréstimo com a Caixa Econômica Federal e o BNDES para equilibrar as suas contas.

Para Setúbal, a chance de o CAISM fechar é baixa, só mudaria a entidade gestora. Mas como o centro funciona desde a sua criação, em 1998, sob a gestão da Santa Casa, pacientes temem a queda ou a interrupção dos atendimentos oferecidos.

Roseli Almeida, 52, que tem um filho com esquizofrenia e também trata a mãe, com Mal de Alzheimer, no centro, é uma delas. "Como vamos fazer com eles? Os hospitais psiquiátricos são muito ruins. O CAISM é referência, tem um tratamento humanizado", diz.

Edna Paulino Ribeiro, mãe de paciente com esquizofrenia é retardo mental, critica a falta de opções tratamento ao tabu de transtornos psiquiátricos. "Há muito preconceito. A minha família sumiu toda. Se não fossem eles (CAISM), não sei o que faria."

"Meu filho já tentou se matar várias vezes", diz Leonarda Patrício, 60. O filho, de 35, tem esquizofrenia, transtorno bipolar e síndrome do pânico. "Não tem cura. Ele melhorou, se trata lá desde que abriu, mas às vezes tem essas crises. Da última vez eu e o pai o impedimos de se jogar (do alto do prédio onde moram) e ele pegou uma faca e disse que ia nos matar. O CAISM é a minha salvação", afirma.

O convênio com o governo estadual termina em dezembro. Apesar das tratativas para se obter um empréstimo, Setúbal diz que a situação do CAISM independe desta concessão. "A Santa Casa quer que se corrija o repasse, os contratos estão defasados", afirma. O empréstimo, segundo o provedor, apenas ajudaria a equilibrar as contas do hospital, mas não estancaria o prejuízo mensal.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias