Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Após vencer plebiscito na Colômbia, campanha do 'não' enfrenta racha

Loading...

GERAL

Após vencer plebiscito na Colômbia, campanha do 'não' enfrenta racha

- Atualizado em 06/10/2016 17:35

SYLVIA COLOMBO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Três dias depois do plebiscito em que o "não" venceu o "sim", derrotando o acordo de paz assinado entre o governo colombiano e as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), os principais líderes do Centro Democrático (partido uribista) passaram a enfrentar uma crise interna.

Liderados pelo senador e ex-presidente Álvaro Uribe, a agrupação defendeu que o acordo fazia demasiadas concessões às Farc (facilitando anistias e dando acesso direto ao Congresso entre outras coisas). Com isso, logrou vencer o "sim" com uma margem mínima -de 50,2% a 49,7%, ou seja, menos de 60 mil votos.

Enquanto os uribistas ganham força e exigem que o governo deve insistir em convencer as Farc a renegociar o acordo corrigindo alguns artigos, dentro da própria força instaurou-se, nesta quinta (6), um racha.

Um dos porta-vozes do "não", o ex-senador Juan Carlos Vélez, em entrevista ao jornal "La Republica" disse que a estratégia uribista foi "tergiversar mensagens" e "deixar de explicar os acordos para para centrar-se em gerar indignação nas pessoas".

Para isso, acrescentou Vélez, "ouvimos uns estrategistas do Panamá e do Brasil que nos disseram para basear nossa mensagem na ideia da impunidade generalizada, na elegibilidade de criminosos, enquanto que, para os estratos mais baixos, deveríamos insistir na ideia de que o governo daria subsídios aos ex-guerrilheiros [estava prevista uma "mesada" de 90% de um salário mínimo por dois anos]. Em cada região usamos uma estratégia. E na costa difundimos a ideia de que o acordo nos levaria a virar um país parecido à Venezuela."

As declarações do uribista levantaram polêmica dentro e fora do Centro Democrático. Uribe foi o que em mais alto tom advertiu Vélez. "Nossa estratégia se fundamentou em argumentos, em dar a conhecer aos colombianos os conteúdos do que se assinou em Havana, e o que ocorreria se o plebiscito fosse aprovado. Insistimos na ideia de que era necessário reformar o acordo", disse Uribe. "Nossa campanha sempre foi pedagógica", disse o senador Iván Duque.

ARGUMENTOS

O Centro Democrático também afirmou que não foram contratados marqueteiros ou estrategistas estrangeiros. "Nós não apelamos a mentiras ou a manipulações, apenas em argumentos. Pedimos às pessoas que se convencessem de que se aprovassem o acordo, estariam apoiando sua incorporação à Constituição", disse Uribe.

A partir das 17h (19h), a oposição se reuniria para discutir os pontos do acordo que deseja mudar, antes de apresenta-los ao governo para que se envie às Farc. Especificamente, são cinco.

O primeiro, que haja prisão para os delitos de lesa humanidade -o acordo previa penas de reparação, com "liberdade restringida".

O segundo, seria impedir que os que tenham cometido tais crimes possam se candidatar, mesmo depois de cumprir pena -o acordo o permitia, mesmo durante o cumprimento das condenações.

O terceiro será o de pedir que as Farc entreguem todos os seus bens, algo que não constava no documento originar.

O quarto, que o narcotráfico seja considerado delito não-anistiável em qualquer caso -o acordo previa que, se fossem comprovadas as ligações do narcotráfico com a necessidade de arrecadar fundos para a guerrilha (o que tecnicamente se enquadraria em "crime de conexão política") poderia ser anistiado.

E o último ponto de correção ao acordo que pedirão os uribistas refere-se às terras. Pedirão que não se criem novas zonas de reserva para os ex-guerrilheiros, algo previsto no item de "reforma agrária" do acordo.

As cinco correções são, por ora, totalmente rejeitadas pela guerrilha, que considera que jogam por terra o já pactuado. Desde Havana, seus líderes têm mostrado rejeição ao encontro entre Uribe e Santos e a ideia de que o primeiro possa sugerir emendas ao já pactuado.

"Se deixarmos a paz nas mãos de Uribe, o país será levado ao Diabo. É verdade que a Colômbia atravessa um limbo perigoso, uma zona nebulosa, mas estará pior se colocarmos a paz nas mãos de Uribe e do [ex-presidente Andrés] Pastrana [também contrário ao acordo]", disse à revista "Semana".

No final desta quinta (6), a chanceler María Ángela Holguín, uma das designadas por Santos para fazer uma ponte com os uribistas, deu uma declaração desalentadora: "Se as Farc não quiserem abrir os acordos para as possíveis correções, não há nada que se possa fazer."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 03/12

ALTAIR RAIMUNDO DE SOUZA, 46 anos
AMADEU FERNANDES, 58 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1882 · 03/12/2016

09 10 19 35 37 41