Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Acordo bilionário com a União não garante à Samarco voltar a operar

Loading...

GERAL

Acordo bilionário com a União não garante à Samarco voltar a operar

GUSTAVO URIBE E JOSÉ MARQUES
BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - O acordo firmado nesta quarta-feira (2) entre o governo federal e a Samarco, controlada pela Vale e pela BHP, não garante à mineradora autorização para voltar a operar em Minas Gerais.
Segundo a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, o termo de ajustamento de conduta para reparação dos danos causados pela tragédia em Mariana (MG) não anula a decisão do governo mineiro, tomada em novembro, de suspender a licença de operação da empresa.
A tragédia ocorreu em 5 de novembro, quando a barragem de Fundão se rompeu, o que fez um mar de lama se espalhar por cidades de Minas Gerais e pelo litoral do Espírito Santo.
A permissão de autorização de funcionamento, de acordo com a ministra, é uma decisão que cabe à administração estadual que, segundo ela, após quase quatro meses do acidente, ainda aguarda o relatório sobre as causas do rompimento da barragem.
Ela, ponderou, contudo, que a realização de um acordo é um "sinal positivo" que pode contribuir à reabilitação da empresa.
"O acordo não pré condiciona nada em relação ao funcionamento da Samarco. A interrupção das atividades da empresa em Minas Gerais é uma decisão que cabe ao governo estadual. Então, não tem vinculação ao acordo", explicou.
Como antecipou a Folha de S.Paulo, o governo federal anunciou que a mineradora deverá fazer um aporte de R$ 4,4 bilhões nos próximos três anos, sendo R$ 2 bilhões já neste ano. O Ministério Público quer ir à Justiça para o acordo não ser homologado.
A previsão inicial é de que, nos próximos 15 anos, ela deve desembolsar em média por ano um valor que pode variar de R$ 800 milhões a R$ 1,6 bilhão, valor que pode ser elevado dependendo das propostas e iniciativas que forem aprovadas ao longo do período.
Por essa estimativa, o total pago até 2030 seria entre R$ 18 bilhões e 26 bilhões. Nesse montante, estão incluídas ainda medidas de compensação ambiental, que somam R$ 4,1 bilhões.
MULTA
Caso a mineradora descumpra os prazos e as obrigações, ela terá de pagar uma multa de R$ 1 milhão por cada ponto não realizado, que poderá ser elevada em R$ 100 mil por dia enquanto não for efetuada.
O governo federal anunciou ainda que, caso a Samarco não cumpra com o acordo, os custos terão de ser pagos por suas controladoras.
No evento, a presidente Dilma Rousseff elogiou a celeridade da realização do acordo e ressaltou que o governo federal "está fazendo história". Segundo ela, daqui a 15 anos, o rio Doce estará melhor do que estava antes da tragédia.
"O acordo demonstra que é possível, mesmo em meio a uma situação de crise, fazer justiça sem destruir empresas, empregos ou modo de vida", disse.
REAÇÃO
O Ministério Público Federal anunciou na tarde desta quarta-feira (2) que pedirá à Justiça que não homologue o acordo entre governos e a mineradora Samarco para recuperação dos locais atingidos pelo rompimento da barragem de Fundão.
O órgão chegou a participar das negociações, mas abandonou a mesa antes de os termos serem fechados. Segundo o procurador Jorge Munhoz, o acordo "prioriza o patrimônio das empresas" e "não garante a reparação dos danos".
A expectativa é de que se gaste aproximadamente R$ 20 bilhões com a recuperação, mas a quantia pode ser ultrapassada caso o trabalho não seja concluído.
"O governo definiu limites de gastos, mas não temos nem um diagnóstico preciso e conclusivo de quais foram os danos, como podemos definir valor? É logicamente insustentável", questiona Munhoz.
Segundo o procurador, há no documento um "sistema de blindagem" das controladoras da Samarco, a Vale e a BHP Billiton, que teriam de fazer as compensações financeiras caso a Samarco não tenha recursos para implementar os programas previstos no acordo.
Munhoz considera que a Vale, que também despejava rejeitos na barragem de Fundão, é responsável direta pelo rompimento e também tem de atuar na recuperação do meio ambiente.
Após a assinatura, o acordo voltará à Justiça, que deve pedir manifestação do Ministério Público antes de homologá-lo. Além de se manifestar de forma contrária, a Procuradoria pretende entrar com ações civis públicas contra a empresa para assegurar o cumprimento de exigências.
SAMARCO PREPARA VOLTA
O diretor-presidente da Samarco, Roberto Carvalho, contesta o procurador. Segundo ele, há um montante "expressivo" compromissado pela empresa e a criação de uma fundação permite que o dinheiro seja gerido de forma transparente e monitorado por auditores.
Apesar disso, ele ainda não tem valores estabelecidos para a recuperação dos estragos causados pelo rompimento, que afirma serem "dinâmicos".
"À medida que [os estudos] vão sendo concluídos vamos estabelecendo projetos, vai sendo feita toda a parte de orçamentação e os recursos sustentam todos os projetos", disse à reportagem.
Ele diz que a mineradora se prepara para voltar a operar e que o acordo contribui para esse planejamento, mas ainda não informou datas.
"É preciso que fique muito claro de que a necessidade que Samarco volte a operar não é simplesmente pela questão de gerar caixa para fazer frente aos compromissos. Nós temos 3.000 empregados diretos e a gente tem responsabilidade em relação a isso", diz.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1904 · 18/02/2017

12 15 18 21 51 56