Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Haiti pede à OEA missão para mediar impasse eleitoral com oposição

Loading...

GERAL

Haiti pede à OEA missão para mediar impasse eleitoral com oposição

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidente do Haiti, Michel Martelly, pediu nesta quarta-feira (27) à OEA (Organização dos Estados Americanos) o envio de uma missão de mediação para dar fim ao impasse entre governo e oposição devido às eleições.
O país deveria ter passado no domingo (24) pelo segundo turno do pleito presidencial. Porém, a votação foi suspensa devido à onda de violência nas manifestações de governistas e da oposição, que acusa o governo de fraude.
Depois do pedido, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, convocou reunião extraordinária do Conselho Permanente. Nela, o embaixador haitiano, Bocchit Edmond, disse que a missão servirá para evitar uma situação de caos.
"Isso não é um chamado à ingerência ou à interferência, mas um chamado à solidariedade. Pedimos assistência para preservar a institucionalidade democrática", afirmou o representante do país caribenho.
Segundo Almagro, o pedido foi acatado pelo risco de instabilidade política no Haiti. Sem condições políticas para uma nova eleição, o país tende a entrar em um limbo depois de 7 de fevereiro, quando Martelly deixa a Presidência.
Para o secretário-geral da OEA, a solução é um governo de transição que assegure as condições para celebrar eleições confiáveis. Ele colocará em votação a possibilidade de consultar a Suprema Corte sobre a administração provisória.
"Devemos garantir que este período de transição seja breve e é fundamental que exista uma nova disputa eleitoral e que haja disputa, que não seja um plebiscito ou um referendo com apenas um candidato", disse Almagro.
A missão eleitoral da OEA no Haiti, chefiada pelo ex-ministro Celso Amorim, confirmou irregularidades na eleição, como compra de votos e falta de controle dos eleitores, mas que o resultado do primeiro turno não seria diferente.
IMPASSE
No Haiti, continua o impasse entre a oposição e o governo. Apesar da crise política, o presidente convocou o Conselho Eleitoral Provisório (CEP) a renovar seus integrantes depois que cinco membros renunciaram e um foi afastado.
Para a oposição, a medida de Martelly piorou o conflito. "A hora de decisões unilaterais já passou, e Martelly tem que entender", disse Gerald Germain, assessor político do candidato opositor Jude Célestin.
A oposição pede que a Suprema Corte assuma um governo interino antes que ocorra uma nova eleição. Enquanto isso, o candidato governista Jovenel Moise quer continuar a eleição como está e pediu que Célestin se sente para negociar.
"Estamos em uma crise que poderíamos ter evitado, a crise vai criar um vazio de poder nos próximos dias que não é bom para o país", disse ao opositor, que boicotou o segundo turno devido às acusações de fraude.
Para a enviada da ONU ao Haiti, Sandra Honoré, a situação deve ser resolvida o mais rápido possível para evitar uma nova onda de violência, como a que colocou o Haiti em instabilidade em 2004, após a queda de Jean-Bertrand Aristide.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 10/12

IZAURA FERREIRA DE ANDRADE, 70 ANOS

ARAPONGAS
CLÁUDIO SILVA, 88 ANOS

IVAIPORÃ
VALDETE CORDEIRO PEREIRA, recém-nascida
MIRIAM PEREIRA DE LIMA, 70 ANOS
CLÓVIS DE ALCÂNTARA BRASIL, 53 ANOS

APUCARANA 09/12

HELENA CORREA DE ANDRADE, recém-nascida

MEGA SENA

CONCURSO 1884 · 10/12/2016

01 04 23 32 38 59