Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Governo adia meta de inspecionar todos imóveis contra o Aedes aegypti

Loading...

GERAL

Governo adia meta de inspecionar todos imóveis contra o Aedes aegypti

NATÁLIA CANCIAN
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Sem conseguir visitar 100% dos imóveis do país até o fim de janeiro em ações contra o Aedes aegypti, o governo recuou do prazo que havia anunciado anteriormente. Agora, a nova meta é finalizar o trabalho de combate aos criadouros do mosquito transmissor de dengue, zika e chikungunya até o fim de fevereiro.
Segundo o Ministério da Saúde, a mudança ocorre após atrasos na implantação, nos Estados, das salas de coordenação e controle das ações de combate ao vetor.
A meta de visitar todos os imóveis do país em uma espécie de "guerra contra o mosquito" havia sido anunciada em dezembro pelos ministros Gilberto Occhi (Integração) e Marcelo Castro (Saúde).
Dados divulgados nesta sexta-feira (22), no entanto, apontam que 15% dos imóveis do país foram visitados até o momento. Os dados, referentes a 19 Estados, abrangem 7,4 milhões de imóveis.
"São os dados que chegaram. Não significa que somente esse número foi visitado", justifica o secretário-executivo substituto, Neilton Oliveira.
Ele admite, no entanto, que houve atrasos na organização dos serviços e que a meta não seria atingida. "Houve dificuldade em alguns Estados em estruturar as salas [de coordenação das ações]", disse.
FORÇA-TAREFA
Com a revisão da meta, a expectativa é visitar outros 41,8 milhões de domicílios urbanos até o fim de fevereiro. A ação ocorre por meio de uma força-tarefa com equipes do Exército e de agentes de saúde e do controle de endemias.
Desde dezembro, 14 Estados solicitaram apoio das Forças Armadas para o combate ao Aedes aegypti. Ao todo, 1.837 militares atuam nas ações de eliminação de criadouro.
Hoje, ao menos 3% dos imóveis visitados têm focos do mosquito Aedes aegypti, segundo Oliveira. A meta é reduzir esse índice para 1% ao término das visitas em fevereiro.
Um dos impasses, porém, são os imóveis fechados -de acordo com o Ministério da Saúde, 3,96% dos domicílios estavam "lacrados".
De acordo com Oliveira, alguns Estados já organizam medidas para efetuar o trabalho nestes locais, com o uso de ações judiciais, por exemplo. "O que posso assegurar é que não deixaremos de entrar nesses domicílios", disse.
A demora em obter resultados no combate ao Aedes aegypti em meio ao aumento de casos de microcefalia em bebês fez com que a presidente Dilma Rousseff convocasse uma reunião com alguns ministros nesta quinta-feira (21). O governo considera que os casos estão relacionados à expansão do vírus zika no país.
Na ocasião, o governo decidiu iniciar uma campanha nas escolas públicas do país e intensificar a atuação das Forças Armadas no Norte e Nordeste, regiões que concentram o maior número de casos da má-formação.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 09/12

HELENA CORREA DE ANDRADE, recém-nascida

MAUÁ DA SERRA 09/12

CLAUDENIR COELHO SOARES, 35 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1883 · 07/12/2016

16 27 28 47 59 60