Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Suprema Corte dá aval a decreto de Maduro

Loading...

GERAL

Suprema Corte dá aval a decreto de Maduro

SAMY ADGHIRNI
CARACAS, VENEZUELA (FOLHAPRESS) - O Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela (TSJ), alinhado ao chavismo, aprovou nesta quarta-feira (20) o decreto de emergência econômica com o qual o presidente Nicolás Maduro pretende atribuir-se poderes especiais por ao menos dois meses.
Mas o polêmico decreto, que daria carta branca ao governo para expropriar empresas e restringir o acesso a dinheiro, também transita pela Assembleia Nacional, onde enfrenta resistência da nova maioria opositora.
O TSJ, que teve 13 de seus 32 juízes recentemente substituídos por magistrados com vínculos com o chavismo, considerou que o pedido de Maduro é constitucional.
Em nota, o TSJ disse que o decreto "atende de forma prioritária aspectos da segurança econômica [...] e se revela pertinente para o exercício do desenvolvimento integral do direito à proteção social por parte do Estado."
Segundo a corte, a gravidade da situação econômica (desabastecimento generalizado, inflação de três dígitos e recessão) justifica o pacote solicitado pelo Executivo no último dia 14 de janeiro.
Além de amparar confiscos de patrimônio privado, o decreto também permitiria ao presidente manejar orçamento sem aval parlamentar.
Segundo críticos, a manobra busca radicalizar o modelo chavista de controles da economia e hostilidade ao setor produtivo, que muitos enxergam como responsável pela grave crise no país.
Em tese, a Assembleia Nacional tem até sexta-feira (22) para se pronunciar sobre o decreto, mas a legislação prevê extensão do prazo em caso de necessidade.
O Parlamento poderá aprová-lo (hipótese improvável diante da ampla maioria antichavista), rejeitá-lo ou pedir que seja alterado.
Nesta quarta, uma comissão parlamentar composta de governistas e oposição começou a analisar o decreto.
O chefe da comissão, o deputado opositor Ricardo Guerra, atacou a premissa de Maduro de que a grave situação econômica é fruto da queda dos preços do petróleo em cerca de 70% desde 2014.
"Essa crise que começa em 2013 não coincide com a queda do preço do petróleo porque o preço se manteve naquele ano em US$ 110 por barril. Em 2014, os preços se mantiveram [...], e a economia só caía. A queda do preço não explica a crise."
O deputado chavista Hector Rodríguez acusou Guerra de tomar posição em vez de discutir o mérito. "Podemos passar horas debatendo as causas desta emergência, o fato concreto é que o barril está em US$ 21,83 e isso debilita a economia."
assassinato
Na noite de terça (19), o jornalista chavista Ricardo Durán, ex-chefe de imprensa do Parlamento e atual assessor de Comunicação do Distrito Capital, que abrange Caracas, foi assassinado numa aparente tentativa de assalto.
Maduro insinuou no Twitter que a oposição está por trás do assassinato.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 22/02

MARIA DE FATIMA DA SILVA, 63 anos

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1905 · 21/02/2017

29 35 43 54 56 57