Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novos exames em bebês do RN com microcefalia apontam infecção por zika

Loading...

GERAL

Novos exames em bebês do RN com microcefalia apontam infecção por zika

NATÁLIA CANCIAN
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Novos exames feitos em dois bebês com microcefalia que morreram após o parto e em dois fetos cujas mães tiveram aborto espontâneo no Rio Grande do Norte tiveram resultado positivo para o vírus zika.
Os resultados ocorrem após testes feitos pelo CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), dos Estados Unidos, um dos órgãos que acompanham as investigações sobre os casos, a partir de amostras encaminhadas por pesquisadores da UFRN (Universidade Federal do Rio Grande do Norte).
O novo achado - que se soma a outros três casos "positivos" para zika, dois de fetos identificados com microcefalia ainda na gestação e um de um bebê do Ceará que morreu após o parto - deve ser divulgado no próximo boletim do Ministério da Saúde, previsto para esta terça-feira (12).
Segundo o infectologista Kleber Luz, que enviou as amostras, os resultados reforçam a possibilidade de ligação entre os casos de microcefalia e o vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti.
Esta também é a primeira análise divulgada sobre o vírus em fetos cujas mães sofreram abortos espontâneos nos primeiros meses da gestação.
A análise ocorreu por meio de testes RT-PCR e de imunohistoquímica, que verificam o material genético do vírus e servem para diagnóstico de doenças infecciosas. "São testes que detectam fragmentos do vírus no tecido", diz Luz. "Isso mostra que não só tiveram infecção como o vírus está onde tiveram a lesão."
Entre os casos, dois são de bebês diagnosticados com microcefalia e que morreram horas após o parto, e que tiveram amostras coletadas de tecidos do cérebro. Os outros dois são de fetos que estavam próximos da 12ª e 16ª semana de gestação, cujas mães sofreram abortos espontâneos.
De acordo com Luz, o alerta ocorreu após as mães informarem terem tido manchas vermelhas durante a gravidez, um dos sintomas da infecção por zika.
Os casos também tiveram resultados negativos em testes para outras infecções, como toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus, herpes, HIV, sífilis e dengue.
OUTROS FATORES
A discussão sobre a relação entre os casos de microcefalia e o vírus zika vêm sido alvo de dúvidas no país.
Em São Paulo, pesquisadores que fazem parte de uma força-tarefa liderada pelo Instituto de Ciências Biomédicas da USP avaliam a possibilidade de outros fatores, além da ação isolada do micro-organismo, estarem relacionados ao aumento de casos de microcefalia.
Um dos principais impasses é a falta de testes que possam detectar rapidamente o vírus - até agora, os casos confirmados da ligação com o vírus ocorreram por exames complexos ou com amostras de bebês que morreram após o parto, daí as amostras. Também não há informações claras de quanto tempo o vírus permanece no corpo.
Para Luz, um dos primeiros a identificar o vírus zika no Brasil, os novos resultados ajudam a confirmar a relação. "São [resultados de] métodos usados para diagnóstico de infecção congênita."

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56