Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Defesa Civil está despreparada, diz prefeito de cidade atingida por lama

Loading...

GERAL

Defesa Civil está despreparada, diz prefeito de cidade atingida por lama

LUCAS FERRAZ
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O rompimento da barragem de rejeitos de Fundão, em Mariana (MG), que provocou a maior catástrofe ambiental da história do Brasil, mostrou o quanto o país está despreparado para lidar com eventos de grande magnitude.
A avaliação é de Leonardo Deptulski (PT), 54, prefeito de Colatina (ES), uma das centenas de cidades atingidas pelos mais de 40 bilhões de litros de lama que vazaram para o meio ambiente. Ele também preside o Comitê Hidrográfico da Bacia do Rio Doce, que foi todo atingido pelos rejeitos.
"Estamos tratando de um fenômeno que nunca tínhamos vivido nessa dimensão, talvez isso alerte a gente para se preparar. A estrutura da Defesa Civil que atende o Brasil não deve passar de 50 pessoas. Se acontecer três coisas ao mesmo tempo, não há gente para atender. O Brasil está muito distante de ter uma estrutura para situações de desastre", afirma.
Segundo Deptulski, a limpeza do início do rio Doce, a aproximadamente 100 km do epicentro do desastre, está sendo feita de forma muito lenta pela Samarco, empresa responsável pela barragem.
A mineradora, presidida por Ricardo Vescovi, tampouco conseguiu estancar a lama, que continua a vazar de Fundão.
Outro ponto central do pós-tragédia, segundo o prefeito de Colatina, é a reparação aos atingidos, sobretudo os moradores de Bento Rodrigues e outros distritos da região de Mariana, que perderam familiares e suas casas, e pescadores e agricultores que dependiam da água do rio Doce para alimentar o gado ou irrigar plantações.
Trechos de sua entrevista à Folha.
PÓS-TRAGÉDIA
As ações emergenciais precisam urgentemente ganhar velocidade e dimensão. O que se fez foi cuidar do abastecimento das cidades que dependem do rio Doce, era a principal demanda. As pessoas que vivem da pesca ou da agricultura precisam de ajuda, elas estão passando por dificuldades e perderam o sustento com o rio.
O monitoramento do mar está sendo feito com empenho pelos órgãos públicos e pela Samarco, mas falta a limpeza da calha do rio Doce, especialmente na área próxima de onde ocorreu o desastre, a uns 100 km de Mariana. Lá ainda há muito tronco, animal morto, material que precisa ser retirado.
Por último, é preciso chegar a uma solução definitiva para as famílias que perderam casas, familiares, especialmente os moradores de Bento Rodrigues e de outros distritos próximos. Essa solução precisa ser acelerada para as pessoas voltarem à normalidade.
FUNDO DE FINANCIAMENTO
O fundo de recuperação que os governos entraram na Justiça para criar é fundamental [União mais os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo assinaram ação conjunta contra a Samarco para financiar o pós-tragédia], seja pela via judicial, seja por meio de um acordo, o que seria de maior garantia.
A Samarco não sinalizou que quer, mas a Vale [controladora da empresa ao lago da BHP Billiton, anglo-australiana] já sinalizou com a proposta de conversar sobre a constituição de um fundo de R$ 20 bilhões.
Se esperarmos constituir esse fundo para começar a trabalhar, não teremos como fazer o que precisa ser feito. Enquanto não se resolve o fundo, é preciso andar nas ações de recuperação. Só o fundo não vai revolver. Os Estados de Minas Gerais e Espírito Santo, além da União, também terão que ajudar com o aporte de recursos.
RIO DOCE
Há estudos sendo elaborados para minimizar o impacto, que não foi uniforme. Nas regiões próximas de Mariana, o impacto foi muito maior, com destruição da fauna, flora e matas ciliares. Quando se desce o rio, depois do município de Rio Doce até a divisa do Espírito Santo, o impacto foi menor. De lá até o mar, o impacto foi ainda menor, havendo inclusive uma mortandade menor de peixes. Talvez uma parte da fauna e da flora tenha conseguido sobreviver. Não sabemos se a camada de lama que se depositou no fundo do rio matou as plantas.
Vamos ter que monitorar a água por muito tempo, ainda hoje a turbidez está muito alta e não mudará a curto prazo. Estamos trabalhando nos projetos de revitalização da bacia, que passa pela recuperação de nascentes, dos afluentes, de áreas particulares e das matas. O primeiro passo tem que ser esse para que possamos aproveitar o quanto antes os regimes de chuva para alimentar o lençol freático e aumentar o nível dos afluentes, já que essa água acaba vindo para o rio Doce e melhora a qualidade da água.
AUSÊNCIA DO ESTADO
As pessoas ainda estão relegadas à própria sorte. Como houve uma cobrança muito forte da sociedade em cima da Samarco, acabou que o Estado, em todos os seus níveis, jogou a expectativa de atendimento toda sobre a empresa sem considerar que, numa situação dessas, a salvação do rio e o atendimento aos atingidos também é função do Estado.
Estamos tratando de um fenômeno que nunca tínhamos vivido nessa dimensão, talvez isso alerte a gente para se preparar. A estrutura da Defesa Civil que atende o Brasil não deve passar de 50 pessoas. Se acontecer três coisas ao mesmo tempo, não há gente para atender. O Brasil está muito distante de ter uma estrutura adequada para situações de desastre.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56