Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Não há provas de que mancha na BA tenha lama de Mariana, diz Samarco

Loading...

GERAL

Não há provas de que mancha na BA tenha lama de Mariana, diz Samarco

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) - A probabilidade de o arquipélago de Abrolhos, no sul da Bahia, ter sido atingido pela mancha de lama que surgiu após o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), é "muito baixa", segundo a mineradora Samarco.
A avaliação da empresa foi divulgada após o Ibama e o ICMBio apontarem que os rejeitos de mineração podem ter alcançado a área, que tem uma das maiores diversidades de corais do Atlântico.
Segundo a presidente do Ibama, Marilene Ramos, ventos fortes registrados na semana passada fizeram com que a mancha que vinha se espalhando na direção sul do litoral do Espírito Santo passasse a se aproximar também do litoral norte, na divisa com a Bahia.
"Fizemos uma inspeção no Parque de Abrolhos e registramos a presença de uma lama que, pelo aspecto visual, tudo indica que seja a própria mancha bastante diluída que está se estendendo no Espírito Santo", afirmou ela na quinta-feira (7).
Um dia depois, a Samarco respondeu em nota que tem acompanhado o comportamento da mancha na região marinha e, até agora, não há comprovação técnica de que o material observado em Abrolhos tenha relação com o desastre de Mariana.
"Existem outros fatores de influência de movimentação de sedimentos na região costeira do Espírito Santo e sul da Bahia, bem como o registro de fenômenos climáticos que ocasionaram, nos últimos dias, a formação de ondas no litoral entre 1,5 m e 2,5 m que provocaram ressuspensão natural de sedimentos outros que não têm relação com o acidente ocorrido na Barragem de Fundão", diz a empresa.
Na sexta (8), o secretário estadual de Meio Ambiente da Bahia, Eugênio Spengler, afirmou que foram identificadas manchas nas regiões de Abrolhos e Porto Seguro, mas ele soube dizer se eram resultado da lama da barragem da mineradora Samarco.
AMOSTRAS COLHIDAS
A mineradora, cujas donas são a Vale e a anglo-australiana BHP Billiton, ainda afirma que amostras foram colhidas para avaliação em laboratório. Pesquisadores do Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira, ligado à Marinha, também foram à região para coletar amostras da água.
Uma possível chegada da lama em Abrolhos poderá trazer impactos ao santuário marinho, onde há recifes de corais, algas e tartarugas. "O primeiro impacto é a diminuição na produtividade dos corais. É como se tivesse uma mancha preta na Amazônia, e ela não pudesse continuar sua fotossíntese", diz Claudio Maretti, presidente do ICMBio.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 08/12

ÂNGELO RODRIGUES, 70 anos

CALIFÓRNIA
ENACIR MARIA CARDOSO, 53 anos

JANDAIA DO SUL 08/12

MARIA DO ROSARIO DE SOUZA BORGES, 50 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1883 · 07/12/2016

16 27 28 47 59 60