Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sauditas querem provocar violência sectária com execução, diz Hizbullah

Loading...

GERAL

Sauditas querem provocar violência sectária com execução, diz Hizbullah

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O líder do movimento radical xiita libanês Hizbullah, Hasan Nasrallah, acusou neste domingo (3) a Arábia Saudita de querer provocar a violência sectária com a execução do clérigo xiita Nimr al-Nimr, no último sábado (2).
Opositor à monarquia sunita Al Saud, que rege a Arábia Saudita, Nimr foi punido com a pena capital após ser acusado de insubordinação e ameaça à união nacional. Com ele, foram executados outros três religiosos xiitas.
"Hoje nós passamos por um acontecimento estarrecedor, um grande evento que a [monarquia] Al Saud lidou de forma leve, mas este não é um evento que pode ser considerado leve", afirmou Nasrallah, no canal Al Manar.
"O que [a monarquia] Al Saud quer é a violência entre xiitas e sunitas. São eles que a provocaram antes, e continuam a fazer isso em todas as partes do mundo."
Para o líder do movimento libanês, Nimr al-Nimr foi "um bravo mártir e um guerreiro sagrado" que morreu sem levar armas ou provocou um conflito armado e foi morto apenas por ser crítico à família que rege a Arábia Saudita.
O discurso de Nasrallah foi acompanhado por rajadas de tiros de militantes do Hizbullah em Beirute, em sinal de apoio a seu líder. Pouco antes, houve protesto em frente à embaixada saudita e à sede da ONU na capital libanesa.
Alguns dos manifestantes carregavam fotos do clérigo xiita executados e gritavam palavras de ordem como "Morte à Casa de Saud". Dentre os manifestantes, estava o ex-primeiro-ministro Nasser Kandil.
PROTESTOS
Os protestos contra a execução de Nimr al-Nimr se repetiram em diversas regiões de maioria xiita. Os mais intensos e violentos foram no Irã, onde parte da embaixada saudita foi incendiada na madrugada deste domingo (3).
Os manifestantes voltaram a tomar as ruas de Teerã durante a manhã e a tarde, mas policiais impediram a chegada do grupo às imediações da representação diplomática. O consulado em Mashhad também foi atacado.
Houve violência também nas manifestações no Bahrein. Policiais entraram em confronto com manifestantes xiitas na capital Manama e em Sitra. As autoridades do país já haviam afirmado que pretendiam reprimir os protestos.
O Bahrein recebeu ajuda saudita para encerrar uma revolta em 2011. As comunidades xiitas em Lahore, no Paquistão, em Srinagar, na Caxemira, e em Istambul, na Turquia, também fizeram manifestações.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1905 · 21/02/2017

29 35 43 54 56 57