Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Patrocínio do Barcelona tem origem na Copa do Qatar, diz relatório da Fifa

Loading...

ESPORTES

Patrocínio do Barcelona tem origem na Copa do Qatar, diz relatório da Fifa

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - A negociação de patrocínio para a camisa do Barcelona ocorreu em paralelo à candidatura do Qatar-2022, como mostrou relatório da Fifa sobre a escolha das Copas do Mundo. No mesmo período, o então presidente do time catalão Sandro Rosell prestava serviço para o comitê de candidatura em atuação que esteve sob investigação. O patrocínio do time catalão, no entanto, não teve nada de irregular de acordo com o documento da federação internacional.

Rosell era consultor da candidatura do Qatar-2022 em vários períodos, de forma formal e informal, segundo o relatório. O seu cargo lhe rendia € 2 mil por dia de trabalho. Sua atuação foi controversa pelas ligações com o membro do Comitê Executivo Ricardo Teixeira e com amistosos da seleção.

Em 2010, em dezembro, pouco após a votação da escolha da sede, o Barcelona anunciou seu primeiro patrocínio de camisa com a empresa Qatar Investments que representa as principais empresas do país.

"Dirigentes do Qatar-2022 Hassan Al-Thawadi e Andreas Bleicher participaram diretamente em negociações entre Qatar Sports Investiments, que representava as maiores entidades do Qatar, e o clube de futebol Barcelona que resultaram em um contrato de cinco anos de investimento e patrocínio. O acordo foi anunciado em 10 de dezembro de 2010, logo após a fase de votação da Copa do Mundo"; explica o relatório.

O patrocínio causou controvérsia porque era a primeira vez que o Barcelona usaria uma marca de empresa em sua camisa. As viagens à cidade espanhola para acertar o patrocínio foram feitas em organização do comitê de candidatura.

O relatório ainda cita a participação de Pep Guardiola, então técnico do time catalão, como embaixador da candidatura do Qatar. Ao final, no entanto, o relatório da Fifa indica que não houve relação entre o contrato de patrocínio do Barcelona ou a atuação do técnico para a votação para a Copa.

Em outro trecho, o relatório diz que houve também uma negociação com dirigentes do Real Madrid com as autoridades qataris para patrocínios e investimentos. Mas a conclusão é de que não era um negócio relacionado ao clube, e não havia ligação com a candidatura do Qatar-2022.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias