Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para dirigentes, Mancuello é exemplo de bom negócio

Loading...

ESPORTES

Para dirigentes, Mancuello é exemplo de bom negócio

VINICIUS CASTRO
RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Torcedores ansiosos e dirigentes pregando o “erro zero”. Este é o panorama do Flamengo na busca para fechar o elenco que irá representá-lo na primeira parte da temporada. A diretoria prioriza a chegada de um zagueiro, descarta a pressa e trata a negociação com o argentino Mancuello como o exemplo a ser seguido.
Embora um número considerável de flamenguistas manifeste nas redes sociais o desejo pela contratação do volante chileno Marcelo Díaz, o comitê de futebol definiu que o alvo principal é um zagueiro para assumir a titularidade incontestável. E a negociação promete não ser das mais simples. O time rubro-negro mapeia o mercado sul-americano e calcula que gastará em torno de R$ 10 milhões na aquisição de um defensor de ponta.
Pelos valores envolvidos e a necessidade de acertar, o vice-presidente de futebol Flávio Godinho deixou claro que o Flamengo não tem pressa no mercado.
“Tínhamos um goleiro, um meia e um zagueiro na lista de prioridades. Goleiro é o Alex Muralha, meia é o Mancuello e ainda vamos buscar um zagueiro. Pode ser que [o prazo] expire na última semana de janeiro ou em fevereiro, até mais além. O fato é que temos um grupo preparado e sintonizado com o técnico. Vamos reforçar o elenco quando chegar a hora. Perdemos um tempo maior na identificação do alvo certo. Só que não podemos errar, não adianta contratar por contratar. Nem sempre as negociações são rápidas, como não foi a do Mancuello”, afirmou.
O meia argentino, que teve 90% dos direitos econômicos comprados ao Independiente-ARG por R$ 12 milhões, é o exemplo a ser seguido na Gávea. As tratativas se arrastaram por semanas e os dirigentes conseguiram o que queriam nas reuniões com os argentinos.
É assim que o Flamengo deseja fechar com o zagueiro escolhido. Negociações por e-mail estão descartadas, assim como a presença no momento decisivo é tratada como imprescindível.
“Sou adepto da negociação olho no olho, cara a cara. Por e-mail não funciona. Se trabalhamos com atletas de outro país, temos que pegar o avião e conversar com eles. É a única forma de esgotar a negociação. O exemplo do Mancuello é latente. No final das contas, o que fez a diferença foi a possibilidade de comprar 90% dos direitos econômicos do atleta. Isso você só consegue ao vivo. Não adianta trocar e-mail. Depois, se necessário, esgotamos os últimos aspectos da negociação por telefone”, encerrou Godinho.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 03/12

ALTAIR RAIMUNDO DE SOUZA, 46 anos
AMADEU FERNANDES, 58 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

MEGA SENA

CONCURSO ·