Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Banco do Brasil pede esclarecimento à CBV por contratar acusado de desvio

Loading...

ESPORTES

Banco do Brasil pede esclarecimento à CBV por contratar acusado de desvio

PAULO ROBERTO CONDE
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Banco do Brasil afirmou na tarde desta sexta-feira (8) que solicitou esclarecimentos à CBV (Confederação Brasileira de Vôlei) sobre o fato de a entidade ter contratado um funcionário que foi processado por desvio de verba pública após a maior crise da história da entidade, em 2014, conforme revelou a Folha de S.Paulo.
No contrato entre as partes, não há cláusula sobre contratações. Ou seja, o banco não tem poder de ingerência sobre cargos na entidade. Porém, se a instituição considerar que um problema com dirigente lhe causa impacto, pode solicitar medidas reparativas.
O funcionário em questão é José Virgílio Lima Pires, 57, assumiu em 1º de julho de 2014 o cargo de chefe do gabinete de presidência, cerca de quatro meses após a ESPN Brasil revelar que empresas de cartolas da própria entidade receberam pagamentos de R$ 10 milhões cada uma para intermediar contratos negociados diretamente com patrocinadores.
A Folha de S.Paulo apurou que Pires é braço direito do mandatário da CBV, Walter Pitombo Laranjeiras, sucessor de Ary Graça --que renunciou à chefia da instituição em março de 2014 em meio à crise. Graça preside a FIVB (Federação Internacional de Vôlei) desde o início de 2013.
Em fevereiro de 2002, enquanto presidente da Federação Cearense de Vôlei, Pires firmou convênio com o então Ministério de Esporte e Turismo e recebeu da pasta a quantia de R$ 270 mil para a realização de quatro competições em nome da federação. De acordo com processo penal do Ministério Público Federal (MPF), o dirigente nunca prestou contas, nem após insistentes notificações.
O Banco do Brasil, ao tomar conhecimento do caso, pedi u esclarecimento à entidade. Parceiros desde 1991, o banco repassa anualmente cerca de R$ 70 milhões à CBV.
O vínculo foi interrompido entre dezembro de 2014 e o início de 2015, depois de a CGU (Controladoria-Geral da União) publicar relatório que apontava irregularidades financeiras praticadas pela cúpula da confederação. Ele foi retomado somente depois de a CBV cumprir uma série de exigências.
A base para a investigação do órgão federal foram denúncias feitas em reportagens da ESPN Brasil, segundo as quais duas empresas de dois ex-dirigentes da CBV, Marcos Pina e Fabio Azevedo, teriam recebido R$ 10 milhões cada uma em comissões para intermediação de contratos diretamente tratados com patrocinadores.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 08/12

ÂNGELO RODRIGUES, 70 anos

CALIFÓRNIA
ENACIR MARIA CARDOSO, 53 anos

JANDAIA DO SUL 08/12

MARIA DO ROSARIO DE SOUZA BORGES, 50 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1883 · 07/12/2016

16 27 28 47 59 60