Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ópera 'Dom Quixote' lembra os 400 anos sem Miguel de Cervantes

Loading...

ENTRETENIMENTO

Ópera 'Dom Quixote' lembra os 400 anos sem Miguel de Cervantes

GISLAINE GUTIERRE
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Magro, com aproximadamente 1,90m de altura, cabelos brancos levemente desgrenhados, barba comprida e pontiaguda e bigode farto, também com pontas, o cantor americano Gregory Reinhart está a cara de Dom Quixote. É com esse visual que ele sobe ao palco do Theatro São Pedro, a partir desta quarta-feira (2), às 20h, para a temporada de seis récitas da ópera "Dom Quixote", de Jules Massenet.
A montagem, que lembra os 400 anos sem o autor de "Dom Quixote", Miguel de Cervantes (1547-1616), colocará em cena dez dançarinos de flamenco, coro e solistas. A direção cênica é de Jorge Takla e a musical, do maestro Luiz Fernando Malheiro, que regerá a orquestra da casa em cinco noites.
Pouco antes do ensaio geral na segunda (29), Reinhart recebeu a reportagem em seu camarim no Theatro São Pedro. O baixo diz que o visual quixotesco tem atraído para si olhares curiosos. "Numa padaria aqui perto, uma moça me perguntou: 'Você é Dom Quixote?', e em seguida, 'Você é espanhol?'", conta, emendando uma gargalhada.
Radicado na França desde 1978, Reinhart tem um repertório vasto, incluindo tanto Bellini quanto Wagner, Monteverdi, Haendel, Stravinsky e outros.
Uma crítica publicada pela Folha de S.Paulo em 2012 o apontou como um "Hagen inesquecível" em referência ao personagem que fez na ópera "O Crepúsculo dos Deuses", de Wagner, no Municipal de São Paulo.
Mas Dom Quixote "é o projeto de uma vida toda". Um desejo que se fortaleceu 30 anos atrás, quando Reinhart topou com uma partitura de 1911, assinada pelo próprio Massenet (1842-1912), em uma loja de usados na França. "Eu disse: 'Isso precisa ser meu, esse papel vai ser meu um dia'", conta o baixo.
Ficou quatro meses se preparando para o papel antes de chegar em São Paulo, já com barba cortada por ele mesmo, e impressionar Takla com seu visual. "E ele é um louco também, no sentido de artista, de poeta. Durante um mês de ensaio, ele nunca poupou a voz. Ele se entregou pra valer", diz o diretor.
CASTANHOLAS
A ópera em cinco atos é resultado de uma parceria com o Theatro Municipal do Rio, onde serão realizadas cinco récitas a partir de 13 de abril. Lá, porém, haverá 45 pessoas no coro, em vez das 22 de São Paulo.
Nos dois, a regência será de Luiz Fernando Malheiro, com a participação da mezzo-soprano Luisa Francesconi como a Bela Dulcineia e do barítono Eduardo Amin como Sancho Pança.
Takla diz que a intenção nessa montagem foi apenas "contar a história". "A música é linda e diz tudo, então pra que inventar, fazer uma encenação pseudomoderna, dizendo que é outra coisa?", questiona. Por isso, elementos como a armadura, a lança, o cavalo Rocinante e os moinhos de vento estão em cena.
Também como indica o libreto de Henri Cain (1857-1937), baseado na peça "Le Chevalier de La Longue Figure" de Jacques Le Lorrain (1856-1904), a montagem é ambientada na Espanha da Idade Média.
O cenógrafo Nicolás Boni recorreu a gravuras criadas por Gustave Doré (1832-1883) para o livro de Cervantes. Elas são usadas como cenário e como estampas nos figurinos de Fábio Namatame.
A música espanhola que permeia este "Dom Quixote" será colocada em evidência, com castanholas tocadas ao vivo por dançarinos de flamenco que exibirão as coreografias de Nuria Castejon.
No quarto ato, ainda haverá uma ária de Dulcineia acompanhada só por guitarra flamenca.
O maestro Luiz Fernando Malheiro diz que essa é uma ópera "sem momentos de tédio" e cheia de passagens "Intimistas" e "expressivas", em que o compositor reflete o amor em suas mais variadas formas -seja o de Dom Quixote por Dulcineia, pela natureza e pela humanidade, seja o de Sancho Pança por seu mestre.
"Tem horas que a música nos faz entender a ação, e horas em que ela nos faz entender os sentimentos e as entrelinhas", diz Takla.
Há diferenças entre a história do livro e da ópera. "Aqui, a Dulcinéia é linda, rica e desejada por muita gente. Ela é tudo o que Dom Quixote imagina", afirma Takla.
A essência do cavaleiro não muda, e Reinhart o interpreta inspirado em Charles Chaplin, Lucille Ball e comediantes que "extraíam o humor mesmo de situações trágicas".
"Dom Quixote é uma pessoa que luta pelo que acredita, que briga por sua amada, que derrota os bandidos, que tenta salvar seu país. Ele é um sonhador. E é, incessantemente, um otimista", diz o baixo.
Para Reinhart, essa é também a mensagem do cavaleiro que permanece viva, mesmo 400 anos após a morte de seu criador.

DOM QUIXOTE
QUANDO: Quarta (2 e 9) e sexta (4 e 11), às 20h; domingo (6 e 13), às 17h. Uma hora antes de cada récita, haverá palestra gratuita com Sergio Casoy sobre a ópera
ONDE: Theatro São Pedro, r. Dr. Albuquerque Lins, 207, tel. (11) 3661-6600
QUANTO: de R$ 30 a R$ 80
CLASSIFICAÇÃO: 8 anos

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1905 · 21/02/2017

29 35 43 54 56 57