Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sem mulheres entre os 30 indicados, quadrinistas boicotam 'Oscar' da HQ

Loading...

ENTRETENIMENTO

Sem mulheres entre os 30 indicados, quadrinistas boicotam 'Oscar' da HQ

ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Festival Internacional de Angoulême, mais importante evento de quadrinhos no mundo, teve seu momento #agoraéquesãoelas -a campanha que defendeu, em 2015, mais espaço para mulheres se expressarem.
Dez dos 30 nomeados para o Grand Prix (grande prêmio) decidiram boicotar a 43ª edição da feira, que acontece entre 28 e 31 de janeiro, na França. Motivo: não havia nenhuma mulher entre os indicados.
Entre os cartunistas que se uniram ao protesto proposto por coletivos feministas como o BD Égalité, que luta por igualdade no meio, estão Milo Manara (que fez recentemente "Caravaggio - A Morte da Virgem" ), Daniel Clowes (indicado ao Oscar pela adaptação de sua série "Ghost World") e Riad Sattouf (ex-colaborador do "Charlie Hebdo", ele esteve na última Flip para divulgar "O Árabe do Futuro").
Diante da acusação de sexismo, o festival fez um "mea culpa" e se comprometeu a incluir mulheres na lista de 2016, "sem remover qualquer outro nome".
Num comunicado publicado em seu site, a organização do evento diz que "ama as mulheres, mas não pode reescrever a história das histórias em quadrinhos".
"O conceito do Grand Prix é consagrar um autor por toda a sua obra -como o Rock 'n' Roll All Fame", compara o texto. E não há mulheres o bastante -com "maturidade e idade" para ganhar a honraria- para competir em pé de igualdade com os homens, ao menos na visão do produtor-executivo da feira, Franck Bondoux.
Ao jornal francês "Le Monde", Bondoux afirmou: "Infelizmente, há poucas mulheres na HQ. É uma realidade. Se você vai para o Louvre, também encontra poucas artistas".
Entre as poucas quadrinistas indicadas ao Grand Prix no passado estão Marjane Satrapi ("Persépolis") e Posy Simmonds ("Gemma Bovery" e "Tamara Drewe"). Vencedora? Só uma.
"Lembramos que, em 43 anos, Florence Cestac [quadrinista francesa] é a única mulher a receber essa distinção", diz o BD Égalité em seu site.
O movimento lembrou de implicações práticas da exclusão feminina: "Este prêmio não é apenas honorário, tem um impacto econômico óbvio. Autores selecionados receberão destaque na mídia, e essa escolha terá impacto sobre a cadeia de livros, o que vai beneficiar livrarias, editores... e os premiados."
Em manifesto, o BD (de "Bande Dessinée", história em quadrinhos na língua francesa) também pede que ninguém fale "abobrinhas" do tipo "HQ feminina é um gênero narrativo".
"Aventura, ficção científica, suspense, romance, autobiografia, humor, história, tragédia: gêneros narrativos que as mulheres dominam. [...] A definição 'girly' apenas reforça os estereótipos sexistas. Rejeitamos a ideia de que precisamos cozinhar cupcakes para sermos rotuladas como femininas. Adorar shopping e/ou futebol não são características de gênero. Feminino é um termo geralmente usado para definir algo fútil e/ou sentimental. Decidir que essas características são da ordem do feminino é misógino."
BRASIL
À reportagem, a cartunista Laerte lembra que o Brasil não saiu à francesa desse debate. A antologia "O Fabuloso Quadrinho Brasileiro", que prometia reunir os grandes nomes dos quadrinhos brasileiros em 2015, escolheu 33 homens e quatro mulheres. "Sendo uma delas eu", diz, lembrando que às vezes a esqueciam de a incluir nessa seletíssima lista.
O lançamento é da Narval Mix, selo independente de HQ. O quadrinista Rafa Coutinho, filho de Laerte, é um dos sócios. Como na França, os brasileiros também pediram desculpas.
"Dentre o processo inteiro, fomos levianos. Foram poucas mulheres inscritas -51 dentre 259 artistas (entre obras individuais e coletivas), e, ao longo das peneiras, cortes e opções por histórias, os nomes foram caindo. Não tratamos com o devido peso os efeitos dessa exclusão", disseram Rafa Coutinho e Clarice Reichstul, editores da coletânea, em carta aberta.
"Sim, pisamos na bola. Ainda mais levando em consideração o momento que a produção feminina passa no país. [...] Para além da consciência de que somos falhos e ainda reproduziremos outros muitos preconceitos de nossa época -reflexo de nossas limitações- entendemos que esse projeto se faz da conversa, do debate e do aprendizado nos erros que cometemos."
Entre a seleção de 37 obras, que inclui trabalhos da gaúcha Chiquinha e da jornalista da Folha de S.Paulo Alexandra Moraes, um dos quadrinhos, da artista LoveLove6 (que assina a websérie "Garota Siririca"), chama-se "A Sub-Representação Feminina no Imaginário dos Autores".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56