Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Meirelles diz que era esperado que postos de trabalho caíssem em março

Loading...

ECONOMIA

Meirelles diz que era esperado que postos de trabalho caíssem em março

ISABEL FLECK

WASHINGTON, EUA (FOLHAPRESS) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse, nesta quinta-feira (20), em Washington, que eram "esperados" os números do Ministério do Trabalho que mostram a perda de 63,6 mil empregos com carteira assinada em março.

"Esse processo de reversão [da situação econômica] tem uma certa defasagem no que diz respeito à criação de empregos, então isto é um numero esperado. Segundo a nossa expectativa, no meio do ano, teremos uma estabilização e o início de um fluxo mais estável de criação de empregos", disse Meirelles na capital americana, onde participa dos encontros de Primavera do FMI (Fundo Monetário Internacional).

O ministro disse ainda que há uma "volatilidade grande" na análise dos dados mês a mês. "Com um número muito forte de crescimento [da economia] em fevereiro, o que o dado do emprego pode mostrar é alguma acomodação no mês de março da atividade", afirmou.

O número de março reverte a melhora verificada em fevereiro, quando foi registrado um saldo positivo de 35,7 mil vagas.

Questionado se a perda de empregos em março mostra urgência de aprovação da reforma trabalhista, Meirelles disse que a necessidade de mudança é "um fato", independente dos números.

"Ela [reforma trabalhista] precisa ser feita, quanto mais rápido o Brasil voltar a crescer, em taxas melhores, mais importante", afirmou.

TUMULTO

Após afirmar numa palestra no think tank Atlantic Council que as reformas não deverão "ser aprovadas sem tumultos" no Brasil, Meirelles afirmou que a previdenciária deve acirrar mais os ânimos do que a trabalhista.

"A [reforma] previdenciária trata de um tema que atinge a todos, em última análise, que é a expectativa de se aposentar", disse.

O ministro, contudo, disse achar que a "parte mais forte disso [das manifestações] já passou".

"Acho que está um pouco mais calmo, já está se chegando de fato a um movimento onde a reforma já está andando normalmente e as diversas partes já tiveram parte de se manifestar", afirmou, acrescentando que as manifestações são "parte da democracia, mas a violência é condenável".

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias