Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

PIB fraco reforça apostas de que Banco Central vai acelerar queda dos juros

Loading...

ECONOMIA

PIB fraco reforça apostas de que Banco Central vai acelerar queda dos juros

EULINA OLIVEIRA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os números do PIB (Produto Interno Bruto) de 2016, que confirmaram a pior recessão da história recente do Brasil, reforçam a percepção de que os próximos cortes da taxa básica de juros (Selic) serão de 1 ponto percentual, na avaliação de analistas.

Segundo o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, a expectativa de redução maior da Selic vem desde a última reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central, quando a Selic foi reduzida em 0,75 ponto percentual, para 12,25% ao ano. No comunicado divulgado logo após o encontro, o BC citou a possibilidade de um corte de um ponto percentual nas próximas reuniões

Essa projeção foi ampliada com a divulgação da ata da reunião, na última quinta-feira (2). Conforme o documento, os membros do Comitê citaram a "preferência por manter maior grau de liberdade quanto às decisões futuras, a serem tomadas em função da evolução do cenário básico do Copom".

"Agora, com o PIB evidenciando a dificuldade de recuperação da economia, o Copom vai ter que reduzir os juros mais rapidamente. Não é que dá para fazer isso, e que é preciso fazer", diz Gonçalves.

O economista que prevê crescimento zero do PIB em 2017, e acredita em corte de 1 ponto da Selic nos dois próximos encontros do Copom.

Conforme divulgou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o PIB recuou 3,6% no acumulado de 2016, em linha com as expectativas de analistas consultados pela Bloomberg.

No quarto trimestre, ante o trimestre anterior, a economia encolheu 0,9%. Os analistas esperavam que essa queda fosse menor, de 0,5%. Na comparação com o quarto trimestre de 2015, houve recuo de 2,5%, sendo que as projeções do mercado eram de 2,4%.

"Acreditamos que estes números, um pouco mais fracos do que o esperado, podem manter as apostas em torno de cortes maiores de Selic à frente. Ou seja: de que no Copom de abril (dias 11 e 12), a Selic possa cair 1 p.p., e não 0,75", escreve a equipe de análise da Guide Investimentos.

Um dos motivos para que o Copom acelere a queda dos juros, destaca a Guide, é que o consumo das famílias segue bem fraco. "E deve demorar a se recuperar, por conta da deterioração do mercado de trabalho, da contração do crédito e da baixa propensão a consumir".

Para os analistas, os investimentos podem ter alguma reação, impulsionados por ações do governo, como o pacote de concessões.

REFORMAS

O BC, no entanto, condiciona as reduções mais acentuadas dos juros à aprovação das reformas e ao andamento do ajuste fiscal.

"A divulgação de um PIB fraco em 2016 já está na conta; o que importa agora é aprovar as reformas para que 2017 seja o ponto de reversão e que a economia volte a crescer, principalmente no segundo semestre", diz Pedro Galdi, analista da Upside Investor, em relatório.

O mercado de juros futuros negociados na BM&FBovespa já precifica o corte de 1 ponto percentual da Selic na próxima reunião do Copom, em abril.

Neste mercado, investidores buscam proteção contra flutuações dos juros negociando contratos para diferentes vencimentos.

Nesta terça-feira (7), porém, os contratos de juros futuros subiram, em um movimento de correção frente às recentes quedas.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias