Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fraco desempenho da indústria do Brasil deve continuar, aponta índice

Loading...

ECONOMIA

Fraco desempenho da indústria do Brasil deve continuar, aponta índice

- Atualizado em 04/10/2016 18:15

ÉRICA FRAGA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A produção da indústria brasileira teve, em agosto, sua maior queda desde janeiro de 2012. Dados de setembro indicam que o setor manteve o ritmo fraco, amargando o pior desempenho em um grupo de 28 países desenvolvidos e emergentes relevantes.

Com esse resultado, o processo de fraca recuperação do setor -que vinha se expandindo a um ritmo lento havia cinco meses- foi interrompido.

Segundo o IBGE, a atividade industrial recuou 3,8% em agosto na comparação com julho, contra uma contração média de 3,1% esperada por economistas do mercado financeiro.

Indicadores preliminares de setembro apontam para a continuação de um desempenho fraco da indústria brasileira. É o que mostra, por exemplo, o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês), que tenta prever o comportamento do setor com base em informações como ritmo de novas encomendas, contratações e nível de estoques.

Por esse indicador, calculado pela consultoria IHS Markit, a indústria brasileira teve, em setembro, o pior resultado entre 28 países pesquisados.

Segundo o PMI -que é bastante seguido por economistas do mundo todo- o índice que mede a atividade do setor industrial no país mudou pouco entre agosto e setembro, passando de 45,7 para 46 e continuando em terreno negativo (números abaixo de 50 indicam contração).

Outros emergentes grandes, como Índia, México e Rússia, registraram expansão, e a China ficou, relativamente, estável.

A principal causa da fraqueza da indústria brasileira, entre os fatores capturados pela IHS Markit em entrevistas com representantes do setor, foi a debilidade de novas encomendas, que havia ensaiado uma recuperação em meados do ano.

A pesquisa feita pela FGV que mede a confiança do setor industrial também apontou para um recuo da demanda verificada pela indústria em setembro para o nível mais fraco desde maio.

Segundo Aloísio Campello, superintendente de estatísticas públicas da FGV, a retomada da indústria brasileira no primeiro semestre se deveu, principalmente, à desvalorização do real ocorrida em 2015. Isso impulsionou as exportações do país.

Com a apreciação do câmbio, na esteira da transição política, parte desse impulso foi anulado.

"Os indicadores mais recentes mostram que a indústria perdeu o impulso do crescimento e vai depender agora da recuperação da demanda interna que, no entanto, continua muito fraca", diz Campello.

Em agosto, a queda da produção industrial, medida pelo IBGE, foi generalizada, ocorrendo em 21 de 24 segmentos pesquisados pelo IBGE.

Os segmentos de alimentação e automóveis foram os que mais contribuíram para a contração final da indústria.

Embora o setor de bens de capital tenha continuado uma trajetória de retomada em agosto, o resultado da área de construção civil foi bastante negativo. A combinação entre esses dois segmentos representa o desempenho dos investimentos no país.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 anos

ARAPONGAS 02/12

DAVI DE SOUZA, 54 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1881 · 30/11/2016

03 10 30 44 53 56