Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Economia dos EUA surpreende e cresce 1% no 4º trimestre de 2015

Loading...

ECONOMIA

Economia dos EUA surpreende e cresce 1% no 4º trimestre de 2015

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A economia americana mostrou mais força no quarto trimestre de 2015 que o sinalizado anteriormente e registrou crescimento de 1%, de acordo com dados divulgados nesta sexta-feira (26) pelo Departamento do Comércio dos Estados Unidos. Os dados passarão pela segunda e última revisão em 25 de março.
O resultado superou o centro das estimativas de economistas e instituições financeiras ouvidos pela agência de notícias Bloomberg, que viam avanço de 0,4% nos últimos três meses do ano passado. Além disso, veio melhor que a primeira leitura do indicador, que mostrava expansão de 0,7% da economia americana.
O crescimento do terceiro trimestre foi mantido em 2%, enquanto no período de abril a junho a expansão foi de 3,9%. Com isso, os Estados Unidos encerraram 2015 com crescimento anual de 2,4%, mesmo resultado do ano anterior.
Consumo pessoal, investimento privado interno e gastos do governo federal contribuíram para a expansão do PIB, de acordo com o Departamento do Comércio americano. Por outro lado, exportações, investimentos externos e gastos de governos estaduais e locais caíram.
A desaceleração no quarto trimestre em relação aos trimestres anteriores reflete o recuo nos gastos com consumo pessoal e a retração em investimentos externos, nos gastos de governos estaduais e locais e nas exportações, ainda segundo o Departamento do Comércio americano.
Essa queda foi parcialmente compensada por uma redução menor no investimento interno em estoques, uma retração nas importações e uma aceleração nos gastos do governo federal.
O dado pode chancelar a decisão do Federal Reserve (Fed, banco central americano) de retomar sua política de elevar os juros nos EUA.
Em janeiro, a autoridade monetária manteve a taxa básica de juros entre 0,25% e 0,50%. Na ata do encontro, afirmou que a decisão levou em conta um "aumento nas incertezas", causado por instabilidades externas e desaceleração econômica interna.
"Eventos recentes em mercados financeiros e de commodities como a possibilidade de enfraquecimento de algumas economias estrangeiras têm o potencial de conter a atividade doméstica", informou o Fed no documento.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias