Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Oposição atribui rebaixamento a irresponsabilidade fiscal do governo

Loading...

ECONOMIA

Oposição atribui rebaixamento a irresponsabilidade fiscal do governo

DÉBORA ÁLVARES E RANIER BRAGON
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - No dia em que o Brasil perdeu o último selo de bom pagador entre as grandes agências de classificação de risco -a Moody's anunciou o rebaixamento na manhã desta quarta-feira (24)-, líderes de oposição no Congresso Nacional atacaram o governo, a quem culpam pelo resultado.
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), adversário da presidente Dilma Rousseff (PT) nas últimas eleições, chamou de irresponsável a condução da economia e afirmou que o governo não tem autonomia para conduzir as reformas necessárias.
"É o pior sinal possível e, ao contrário do que o PT gosta de afirmar, é de responsabilidade exclusiva do governo brasileiro, dos inúmeros equívocos do governo do PT. A verdade, que esse rebaixamento significa: as empresas com maior dificuldade de rolar suas dívidas, com mais dificuldade, mais desemprego, descontrole da economia cada vez maior".
A Moody´s é a terceira grande agência de risco a retirar o grau de investimento do País. Segundo o tucano, foram feitos diversos alertas, inclusive durante a campanha eleitoral, ignorados. "A responsabilidade por esse rebaixamento não é de nenhuma crise internacional, até porque ela não existe".
O líder do Democratas na Câmara, deputado Pauderney Avelino (AM), afirmou que a decisão da Moody´s de rebaixar a nota de crédito do Brasil reflete a situação calamitosa das contas públicas do país, destroçadas pelos repetidos erros deste governo e pela gastança pré-eleitoral, quando os petistas fizeram de tudo para se perpetuar no poder.
"Infelizmente não só o governo petista perde com o rebaixamento. Quem perde é o país", disse o líder. Ele lembrou que o rebaixamento impacta na vida de todos os brasileiros, visto que a classificação do Brasil como "grau especulativo" afasta investidores, tão necessários para a retomada do crescimento do país e para a geração de empregos.
Além da retirada, o líder Pauderney Avelino lamenta que a agência tenha decidido cortar a nota em dois degraus de uma só vez. "Isso ratifica a percepção de que a situação fiscal do país é dramática. Se Dilma Rousseff continuar no poder, o país vai continuar ladeira abaixo", disse.
Para o líder do PPS da Câmara, Rubens Bueno (PR), o resultado demonstra uma desmoralização. "Dilma fez o Brasil receber o selo de caloteiro. A superação dessa crise só se dará com a saída dela do governo. Até porque Dilma só tem empurrado o país para o buraco desde que assumiu o primeiro mandato. Hoje ela não tem mais nenhuma credibilidade para aprovar um ajuste fiscal no Congresso", afirmou Rubens Bueno.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

APUCARANA 21/02

CARLOS FRANCISCO DA SILVA, 57 anos
JECYR MASTRO, 91 anos
DULCINEIA RODRIGUES, 37 ANOS
MARIA DE FÁTIMA DA SILVA, 63 ANOS

IVAIPORÃ
ADON SCHMIDT DE OLIVEIRA, 63 ANOS

JANDAIA DO SUL 21/02

GERALDA GARCIA DE OLIVEIRA, 74 anos
CARLOS ORTIS SANCHES, 63 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1904 · 18/02/2017

12 15 18 21 51 56