Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Aécio diz que oposição só discutirá Previdência se PT apoiar mudanças

Loading...

ECONOMIA

Aécio diz que oposição só discutirá Previdência se PT apoiar mudanças

MARIANA HAUBERT
BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O senador Aécio Neves (MG), presidente do PSDB, afirmou nesta terça-feira (16) que a oposição só se disporá a debater a reforma da Previdência no Congresso se a própria base aliada do governo e, principalmente, o PT apoiarem a proposta defendida pela presidente Dilma Rousseff.
Para o tucano, se o governo não conseguir mobilizar nem mesmo os parlamentares que sustentam o apoio ao governo, fica impossível para a oposição aderir às discussões.
"O que nos parece é que o governo da presidente Dilma tem apenas uma proposta para o Brasil, que é a CPMF, portanto, a transferência para a sociedade e para o trabalhador brasileiro do peso do ônus dos equívocos e irresponsabilidades cometidos por esse governo", disse.
Dilma anunciou nesta terça, em reunião com líderes da base aliada na Câmara dos Deputados, que enviará a proposta ao Congresso até abril. O prazo foi definido após negociação com centrais sindicais e a base petista, mas o texto final ainda está sendo preparado pela equipe econômica do governo federal.
No encontro, a presidente afirmou que a proposta ainda não está formatada e que será discutida no Fórum Nacional de Trabalho e Previdência, marcado para quarta-feira (17).
PRIORIDADES
Aécio e a bancada do PSDB no Senado se reuniram com o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), para apresentar as propostas prioritárias defendidas pelo partido para o primeiro semestre.
Dentre as prioridades estão o projeto que altera a regra de participação da Petrobras na exploração do pré-sal, a proposta que cria uma lei de responsabilidade das estatais, e uma que reestrutura os fundos de pensão.
Aécio afirmou também que o partido retomará a proposta de que o reajuste do programa Bolsa Família seja feita pela inflação dos últimos 20 meses. A medida tinha sido incluída na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2016 mas foi vetada por Dilma.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias