Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Espírito Santo lidera em novembro perdas da indústria após tragédia

Loading...

ECONOMIA

Espírito Santo lidera em novembro perdas da indústria após tragédia

BRUNO VILLAS BÔAS
RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Com unidades industriais paralisadas após o rompimento da barragem de Mariana (MG), o Espírito Santo liderou as perdas da indústria nacional em novembro, segundo dados divulgados pelo IBGE nesta terça-feira (12).
A produção do Espírito Santo encolheu 11,1% na comparação com outubro do ano passado -a queda mais intensa desde dezembro de 2008 (-12,3%). Na comparação a novembro de 2014, a baixa foi de 19,8%.
O tombo da indústria capixaba foi puxado pela menor produção da indústria extrativa (que inclui minério de ferro e petróleo). O setor recuou 33,3% no estado na comparação a um ano antes.
O desempenho foi afetado pelo rompimento da barragem da Samarco (joint venture da BHP Billiton e Vale), o que levou a empresa a paralisar unidades de pelotização (que transforma minério em pelotas) em Ubu, município capixaba.
Minas Gerais também foi afetado do ponto de vista da indústria, claro. A produção minera caiu 4% frente a outubro deste ano e 12% na comparação ao mesmo mês de 2014.
Mas o Estado tem uma indústria mais diversificada. A maior contribuição para a queda da indústria mineira na comparação a novembro de 2014 foi a produção de veículos automotores, reboques e carrocerias (39,4%). A queda da indústria extrativa foi de 6,7%, terceira maior contribuição.
A produção da indústria brasileira como um todo teve queda de 2,4% em novembro, frente ao mês anterior, como havia mostrado o IBGE na quinta-feira (7) passada. Nesta terça-feira, o instituto divulga os dados por unidades da federação.
Os fracos resultados da indústria em novembro foram, no entanto, espalhados pelo país. Segundo o IBGE, houve queda na produção em nove dos 14 locais pesquisados pelo IBGE em novembro, frente ao mês anterior.
Com estoques altos e sem perspectiva de uma recuperação da economia, a indústria vem cortando produção há meses para tentar se ajustar ao menor ritmo de demanda das famílias, empresas e do próprio setor público.
Maior polo industrial do país, São Paulo teve queda de 2,6% na produção na passagem de outubro para novembro, acima da média nacional. Frente ao mesmo mês de 2014, o tombo foi de 13,3%.
Do parque industrial de São Paulo, os segmentos mais afetados foram veículos automotores, reboques e carrocerias (-32,3%%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (-13,6%) na comparação a novembro de 2014.
Outros estados com resultados negativos, na comparação a outubro, foram Ceará (-4,5%) Amazonas (-2,1%), Bahia (-2%), Paraná (-1,3%) e Goiás (-0,9%).
Já o Rio de Janeiro viu sua produção industrial crescer 1,2% na passagem de outubro para novembro. Em relação a novembro de 2014, porém, houve queda de 10,1% na produção da indústria.
Na comparação anual, o principal impacto negativo ficou com o setor de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, com queda de 23,3% frente a novembro de 2014.
Neste caso, a greve dos petroleiros iniciada em 28 de outubro foi o principal fator negativo. Os trabalhadores interromperam parte da produção de refinarias, como a refinaria Reduc, no município de Duque de Caxias (RJ).

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

ARAPONGAS 18/01

ANA GABRIEL DE SOUZA, 79 ANOS

ARESTIDES FONSECA, 87 ANOS

APUCARANA 18/01

DELMA MARIA MARIANO, 69 ANOS

NARCIZO ROSA, 88 ANOS 

ANTÔNIO SAMPAIO LUIZ, 59 ANOS

ANA GERALDA DE JESUS, 81 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1895 · 18/01/2017

02 03 05 10 15 34