Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

NASA divulga vídeo inédito de 'fontes' de bolhas em mares de satélite de Saturno

Loading...

'RESPIRANDO AZOTO'

NASA divulga vídeo inédito de 'fontes' de bolhas em mares de satélite de Saturno

Imagens inéditas dos mares de Titã feitas pela sonda Cassini, da NASA, em fevereiro deste ano, revelam a existência de 'fontes' compostas de bolhazinhas de azoto nos mares hidrocarbônicos na Lua de Saturno, conforme divulgou o Laboratório de Propulsão a Jato da agência aeroespacial norte-americana.

"Os nossos colegas prestaram muita atenção ao fato de o azoto se dissolver em hidrocarbonetos e mostraram que bolhazinhas desse gás podem realmente surgir nos mares de Titã, sendo mais frequentes do que tínhamos pensado anteriormente. Na realidade, tudo isso se parece como lagos. É como se os mares de Titã ‘respirassem' azoto. Quando se refrigeram, acumulam azoto, ‘inspirando-o'. Mas durante o aquecimento eles ‘o expiram'", relata Michael Malaska, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

Atualmente, Titã é o único corpo celeste conhecido no sistema solar, além da Terra, que possui reservatórios líquidos em sua superfície. Durante 12 anos de trabalho na órbita de Saturno, a nave espacial Cassini e a sonda Huygens descobriram dezenas de lagos, rios e mares em Titã, além de esclareceram vários processos atmosféricos que regem a formação e destruição dos lagos e rios.

A composição química destes lagos era desconhecida até 2014, quando cientistas estimaram pela primeira vez a composição dos lagos com ajuda da sonda Cassini. Tais lagos são constituídos principalmente por metano, mas os astrônomos propuseram que nestes lagos também houvesse butano, etano e outros hidrocarbonetos.

Entretanto, Michael Malaska e seus colegas descobriram mais uma peculiaridade desses "reservatórios", ao estudar dados recebidos pela sonda Cassini no decurso do seu último voo sobre os mares de Titã, que foi realizado em meados de fevereiro desse ano.  

As informações coletadas pela sonda indicam uma coisa muito estranha — revelou-se que há varias quantidades de etano, metano e outros elementos em diferentes lugares. Tais variações, avalia Malaska, significam que essas estruturas que antes eram consideradas ilhas por cientistas, possuem um caráter exótico.

Azoto vindo das profundezas dos mares
Os pesquisadores da NASA afirmam que, na verdade, essas ilhas não representam terra firme, mas são ‘fontes' de bolhas de azoto vindas das profundezas dos mares de Titã. Os cientistas detalham que elas surgem porque o metano é misturado com etano em resultado das chuvas ou degelo que ocorrem no fundo dos mares.

Os cientistas realizaram alguns experimentos no laboratório análogo aos mares do satélite de Saturno e descobriram que moléculas de azoto rapidamente perdem a capacidade de dissolver-se em uma mistura de metano e etano, pois se separam do líquido e assumem o formato de bolhas.

Os cosmólogos acrescentam que devido ao fato de que há chuvas e ciclos de tempo em Titã, é provável que tais "fontes" possam fazer surgir bolhas nas águas de Titã, que sobem muito rápido à superfície dos seus mares e que provavelmente foram vistas pela sonda Cassini no decurso de voos anteriores perto de Titã.

Colapso
Se tais bolhas realmente surgirem nos mares de Titã, a aterrissagem da sonda na superfície poderá resultar em colapso. O motor da sonda irá aquecer essas ilhas e o azoto será  liberado rapidamente, provocando surgimento de jato de gás forte que será capaz de destruir o aparelho espacial.  De acordo com os cientistas da NASA, será imprescindível conseguir se proteger de tais "emissões" para realizar missões futuras a Titã.

As informações são da NASA

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

25/03/2017 - 09h04