Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cientistas descobrem quais seres na Terra podem sobreviver ao apocalipse 

Loading...

RESTAURADORES DA VIDA

Cientistas descobrem quais seres na Terra podem sobreviver ao apocalipse 

De acordo com cientistas, as esponjas do mar são os seres vivos mais resistentes do mundo - Foto: Pixabay

As pesquisas biolólgicas, arqueolõgicas e outras aponta que esponjas do mar são os seres vivos mais resistentes do mundo - elas passaram por todas as grandes extinções maciças de flora e fauna e serviram como principais "restauradores" dos ecossistemas destruídos do planeta, de acordo com um artigo publicado no portal da revista Current Biology.

"Supomos que as poríferas (esponjas) têm essa resistência devido ao fato de que elas podem viver sob enormes variações de temperatura e com níveis de oxigênio perto do zero. Por sua vez, a sua fonte de alimentação são partículas de compostos orgânicos presentes na água, cuja quantidade aumenta abruptamente nos oceanos após a morte em massa de outros animais", afirmou Joseph Botting do museu Nacional do País de Gales, em Cardiff (Reino Unido).

Os cientistas distinguem na história da vida na Terra cinco grandes extinções maciças de espécies. A última delas, a extinção do Cretáceo-Paleogéneo, ocorreu há cerca de 65,5 milhões de anos e levou à extinção dos dinossauros e de todos os grandes répteis terrestres e marinhos. Acredita-se que cada um desses eventos é acompanhado por uma explosão evolucionária — rápida expansão, crescimento físico e especialização de espécies sobreviventes, que ocupam os nichos ecológicos libertados.

A extinção do Ordoviciano, a segunda maior catástrofe na história da Terra, ocorreu há cerca de 443 milhões de anos e levou à morte de 85% das espécies e 60% das espécies de animais invertebrados do mar. Mais do que outros sofreram os ectoproctas, moluscos bivalves e corais — em alguns casos, a sua variedade diminuiu em dois terços. Muito provavelmente, a causa desta extinção foi a queda na concentração de dióxido de carbono na atmosfera da Terra e o arrefecimento subsequente. 

Botting conta que a nossa compreensão desta extinção é extremamente esquemática, porque as espécies desta época quase não sobreviveram na Terra. Os únicos fósseis conhecidos deste período foram encontrados na África do Sul há quase 20 anos, e eles são marcas no terreno de estiagens com restos de seres vivos. 

Sobre as mudanças que ocorreram nas grandes profundidades nós quase não sabemos nada. Botting e seus colegas obtiveram a primeira informação deste tipo após encontrarem um "cemitério" de organismos marinhos antigos durante o estudo de rochas do período Ordoviciano no sudeste da China, na província de Zhejiang. Praticamente todo o território da China naquela época era um mar pouco profundo nas proximidades do equador da Terra, dividido por uma variedade de grandes e pequenas ilhas.]

Durante a extinção do Ordoviciano, este mar, como mostraram as escavações dos autores do artigo, estava literalmente coberto com uma floresta de esponjas do mar. De acordo com os cientistas, eles encontraram nas florestas de bambu da China moderna uma camada gigante de rochas com uma extensão de 10 quilômetros, totalmente cheia de esponjas do mar, cujo número de espécies, de acordo com a maioria dos cálculos preliminares, é mais de uma centena. O mais interessante é que nesses depósitos estavam presentes tanto esponjas pequenas como grandes, o que é considerado algo extremamente incomum para extinções maciças e períodos de tempo imediatamente após elas. Aparentemente, as poríferas não só se recuperaram rapidamente após a catástrofe, mas rapidamente começaram a preencher os nichos ecológicos vazios nos baixios e profundidades dos mares. 

Em alguns casos, a diversidade de espécies nestes depósitos ultrapassa a que existe nos mares da Terra hoje. As poríferas não eram os únicos habitantes dos mares daquela época — além de suas marcas, os cientistas conseguiram encontrar na província de Zhejiang alguns fragmentos de conchas Nautilus e também marcas completas de carapaças de euriptéridos e marcas de lesmas grandes do mar.

Como acreditam os cientistas, tanta variedade de poríferas indica que elas já por algumas centenas de milhões de anos desempenham o importante papel de principais "engenheiros" de ecossistemas da Terra, mantendo a sua estabilidade e os restaurando após a extinção. É possível que um desastre nuclear ou a próxima extinção maciça faça com que sejam novamente as esponjas do mar, e não baratas ou os ratos, a sobreviverem. Elas vão dominar os mares da Terra até que os ecossistemas se recuperem pela sexta vez, concluem os autores do artigo da edição.


Conheça 6 seres vivos que os cientistas apontam como capazes de sobreviver ao apocalipse

1 - O Sem-fim do Diabo - Pode sobreviver sob pressão incapacitante, falta de oxigênio, temperatura alta. Esta espécie de nematóide, descoberta apenas recentemente em 2011, foi encontrado vivendo até 2,2 milhas abaixo da superfície da Terra. Estes vermes vivendo na escuridão total e comendo bactérias simples.


2 - Aranha de salto do Himalaia - Pode sobreviver em baixa pressão, temperaturas de congelamento. O oposto polar do sem-fim do diabo, esta aranha habita em ponto mais elevado do que todo o outro (4.1 milhas acima do nível do mar). É capaz de sobreviver longos períodos sem alimentos, temperaturas de congelamento e baixa pressão atmosférica. As únicas fontes de nutrição disponíveis para a aranha de salto Himlayan são os pequenos insetos.


3. A medusa imortal - Estas medusas têm a capacidade de se adaptar a condições adversas e reverter a idade, sendo quase imortais. Não parece haver qualquer limite no número de vezes que elas são capazes de voltar a sua infância. 


4. O besouro vermelho da casca lisa - Este inseto, que é nativo para as áreas do norte do Alasca e Canadá, é capaz de resistir a temperaturas até -150 graus Celsius (-238 Fahrenheit), produzindo uma proteína anticongelante que impede a cristalização do seu sangue. Seu sangue também é fortificado com glicerol, o que ainda impede o congelamento.


5. O verme de Pompeii
- Pode sobreviver em calor extremo e a variação de temperatura. Estes vermes vivem no fundo do oceano. Sua resistência ao calor é devido a um revestimento de bactérias especializadas em seus corpos, que podem produzir um grande grau de isolamento térmico.


6. O Tardigradenas
sobrevivem em condições das mais adversas . Temperaturas entre pouco acima do zero e até 300 graus Fahrenheit não são problema. 1200 de pressão atmosférica? O Tardigrade apenas encolhe os ombros. Realmente não se preocupa com a desidratação, pois pode viver 10 anos sem água e resiste 1.000 vezes a dose letal de radiação para os seres humanos.

Com informações da Agência de Notícias Sputinikinformações e fotos do portal w.realclear.com

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias