Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Estudo aponta que doença rara está relacionada ao uso excessivo de maconha

Loading...

ALERTA AOS CANABISTAS

Estudo aponta que doença rara está relacionada ao uso excessivo de maconha

Anvisa aprova registro de primeiro medicamento a base de Cannabis - Foto: Pixabay

Pesquisadores dos Estados Unidos (EUA) constataram recentemente que casos da Síndrome de Hiperemese por Canabinóide – uma doença rara relacionada ao uso intensivo de maconha - aumentaram significativamente nos estados onde om uso da droga é legalizado.

Dores abdominais e vômitos frequentes relacionados ao consumo do tóxico são alguns dos sintomas cada vez mais comuns nas salas de emergência dos Estados Unidos. As náuseas podem ser aliviadas com banhos e compressas quentes, mas médicos ainda realizam estudos mais aprofundados para analisar a enfermidade e  saber lidar com a nova síndrome. 

Primeiro casos
Os primeiros casos foram registrados nos EUA em 2009. Um estudo citado pelo Huffington Post de co-autoria do médico Kennon Heard, da Universidade do Colorado, nos EUA, aponta um aumento de casos nos hospitais desde que a maconha foi liberada também para uso recreativos. “Estamos vendo isso com bastante frequência, quase que diariamente”, afirmou Heard à CBS News.

Incógnita
De acordo com o médico, a ciência ainda não conseguiu desvendar completamente o mecanismo da doença. “A causa mais provável é que as pessoas que usam maconha freqüentemente, e em altas doses, têm mudanças nos receptores em seu corpo, tornando-os desregulados. Por isso, o paciente começa a sentir dores”, explicou.

Insuficiência renal
Em estágios avançados, a síndrome pode levar à insuficiência renal – mas, conforma a pesquisa, os sintomas param em poucos dias após o fim do consumo de maconha. “Os pacientes recebem medicação para resolver o vômito e ajudar com a dor, mas o tratamento é realmente parar de usar maconha”, frisou Heard.

98 pacientes
O artigo relatando o maior número de casos foi publicado por Simonetto e colaboradores, em 2012, na Clínica Mayo, nos Estados Unidos. Os autores reuniram 98 pacientes dos quais 68% usavam maconha há mais de 2 anos e 95% usavam numa frequência de mais de uma vez por semana.

Dores abdominais
86% dos pacientes relatavam dor abdominal e 91% relatavam alívio dos sintomas com duchas ou banhos quentes. 86% apresentaram completa melhora dos sintomas quando pararam de usar maconha.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

JANDAIA DO SUL 20/02

GERALDA G. OLIVEIRA, 74 ANOS.

IVAIPORÃ 20/02

MARIA F. A. SANTOS, 59 ANOS

MEGA SENA

CONCURSO 1904 · 18/02/2017

12 15 18 21 51 56