Tribuna do Norte Online
Saiba Agora
Últimas notícias
    Você está em

    Cotidiano

    Paraná se consolida como maior produtor nacional de orgânicos

  • Faxinal fomenta comércio de orgânicos - IMAGEM ILUSTRATIVA
    Foto por
    Escrito por da redação
    Publicado em 16/10/2016 Editado em 16/10/2016

    O Dia Mundial da Alimentação é celebrado no dia 16 de outubro e o Paraná comemora a data com o título de maior produtor de alimentos orgânicos do país e o segundo Estado brasileiro com o maior número de propriedades certificadas para a produção de orgânicos. São 1.966 propriedades, de acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, atrás apenas do Rio Grande do Sul. 

    O Paraná tem uma produção de 130 mil toneladas de alimentos por ano, segundo o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater).O bom desempenho do Estado se deve, principalmente, ao Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos (PPCO), o único programa público no País a orientar e capacitar os produtores, auditar e certificar a produção de alimentos orgânicos.

    O Programa envolve a Secretaria Estadual da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, por meio das universidades estaduais; o Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (CPRA), vinculado à Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento, e o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que é o órgão certificador.Só nos últimos quatro anos, foram mais de 290 propriedades certificadas, em todas as regiões paranaenses. 

    A iniciativa não favorece apenas o produtor que tem assistência técnica gratuita, mas também a população paranaense com acesso a alimentos mais saudáveis, produzidos sem agrotóxicos, hormônios ou transgênicos, levando em consideração o meio ambiente e a vida dos agricultores e seus familiares.Em quatro anos, o Governo do Paraná já investiu no Programa R$ 5,5 milhões que, somados aos valores da fase 3 - que começou em 2016 e segue até 2018 -, totalizam R$ 8 milhões por meio do Fundo Paraná. 

    Até o término da fase 3, a meta é certificar cerca de 1.040 produtores, ressaltando que a certificação é válida por um ano, tendo a necessidade de renová-las a cada encerramento.O secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes, destacou a importância do programa para que o Paraná continue entre os estados com o maior número de produtores de orgânicos certificados. 

    “O programa registra excelentes resultados e contribui para a valorização da produção de orgânicos no estado, por isso estamos trabalhando para a continuidade”, afirma.O coordenador da Unidade Gestora do Fundo Paraná, Luiz Cézar Kawano, disse que o programa é uma das únicas ações governamentais para o incentivo da produção orgânica no Brasil, fornecendo subsídio e acompanhamento técnico. 

    “Hoje o Paraná tem a maior produção de orgânicos do País, além disso consegue fomentar a inovação tecnológica e a organização de pequenos agricultores para que eles possam melhorar a sua renda e levar à população um alimento de melhor qualidade”, afirmou.

    Foto: Reprodução

    CAPACITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
    Os agricultores que pretendem passar da produção convencional para a orgânica são orientados por técnicos e estudantes das sete universidades estaduais paranaenses, que fazem acompanhamento técnico e a capacitação dos produtores. Para que receba a certificação, a propriedade deve atender a uma série de normas, que inclui a troca de agrotóxicos e insumos químicos por técnicas agroecológicas, preservação dos ecossistemas, promoção do uso saudável do solo e da água e adotar critérios de comércio justo. Na medida em que os profissionais estão interagindo com o produtor, o conhecimento tem chegado a ele e a sua família, e isso tem aumentado o nível de segurança do agricultor em mudar o modelo convencional pelo orgânico, mostrando que dá para ter produtividade, qualidade e mercado. 

    “Com esse apoio aos agricultores temos conseguido aumentar o número de produtores orgânicos certificados no nosso Estado”, diz o professor Rogério Barbosa Macedo, coordenador do Núcleo de Estudos de Agroecologia e Territórios, da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP).A certificação é auditada pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), que é responsável pela capacitação dos bolsistas que atuam no programa. Os alimentos orgânicos produzidos em propriedades rurais e certificados pelo Tecpar podem ser encontrados em três categorias: origem animal, vegetal e em processamento.Hoje, são 34 bolsistas trabalhando no programa de certificação de orgânicos. 

    Cada uma das sete universidades estaduais conta com um professor orientador, um aluno da graduação e três profissionais recém-formados das áreas de Agronomia, Veterinária e Biologia, que são responsáveis pela orientação e acompanhamento dos produtores. O Programa também é fundamental para conciliar alunos em fase de graduação e os recém-formados, que integram as equipes que trabalham nos núcleos. Desta maneira, os profissionais ingressam no mercado de trabalho melhor preparados e conscientes da valorização das práticas de produção de alimentos mais saudáveis.“Temos percebido uma grande mudança do perfil dos estudantes e dos nossos profissionais. Vários estudantes que participaram desse programa estão ligados a grandes projetos de agricultura familiar dentro e fora do Paraná”, destaca o professor Macedo. 

    AGRICULTURA FAMILIAR
    O professor Macedo destaca que o programa é voltado para as pequenas propriedades, fortalecendo o trabalho da agricultura familiar. O modelo de produção orgânico está adaptado à realidade da agricultura familiar, que é extremamente importante econômica e socialmente no País. “Não queremos substituir o agronegócio, mas dentro do escopo da agricultura familiar ao lado do agronegócio é possível ter uma produção de orgânicos que traga mais renda, mais saúde e mais satisfação ao pequeno produtor”, afirma Macedo.

    O Programa faz a certificação para agricultores familiares do Estado de forma gratuita, além de capacitar a comunidade acadêmica para atuação em serviços de extensão rural, formando mão de obra qualificada para o Estado e promovendo a inserção de produtos com o selo “Orgânico Brasil” no mercado. Com a certificação, os agricultores familiares contam com o incentivo econômico, já que há uma valorização do produto orgânico, e também são habilitados para programas públicos, como a venda de alimentos para a merenda escolar e para o Programa de Aquisição de Alimentos, do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.

    ESPECIALIZAÇÃO PROFISSIONAL
    Outra iniciativa para fortalecer a produção de orgânicos no Estado é o Mestrado Profissionalizante em Agroecologia, da Universidade Estadual de Maringá (UEM). O Paraná foi o segundo estado do Brasil a implantar o curso, em 2014, uma iniciativa pioneira em território paranaense. Esse mestrado é fruto do trabalho de docentes da UEM e também de professores da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) e da Universidade da Califórnia (University of California), com apoio da Secretaria do Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

    A proposta do curso é fomentar pesquisas em produção agroecológica familiar, aumentar o conhecimento sobre a natureza, o funcionamento e os indicadores de qualidade e de sustentabilidade dos agroecossistemas e apoiar e potencializar a Rede Paranaense de Pesquisa em Agroecologia.De acordo com o coordenador do curso, professor José Ozinaldo Alves, o objetivo é aliar o conhecimento acadêmico à experiência prática de agricultores, para atender a grande demanda do Estado por profissionais especializados. “A especialização é fundamental para a qualificação dos profissionais que atuam não só em instituições públicas e privadas do estado como também para os pequenos agricultores”, destaca.Outra iniciativa para incentivar a produção de orgânicos no Estado é a promoção do primeiro Dia de Campo, com tecnologias de produção. A ação acontecerá de 11 a 12 de novembro, na Estação Experimental Agroecológica Terra Livre, em Bandeirantes, no Norte do Estado. 

    BOXDIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO
    A celebração foi estabelecida em novembro de 1979 pelos países membros na 20ª Conferência da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO). Neste dia promovem-se muitas atividades relacionadas com a nutrição e a alimentação, com a participação de cerca de 150 países. A data também marca o aniversário de 71 anos da FAO, criada em 1945.O tema escolhido para este ano é “O clima está mudando. A alimentação e a agricultura também”. As estimativas indicam que o número de habitantes do planeta vai superar os nove bilhões de pessoas em 2050, e a FAO calcula que a produção mundial de alimentos vai ter que aumentar em 60% para atender a demanda. Os pequenos agricultores familiares “que produzem a maior parte dos alimentos que consumimos” estão entre os mais afetados pelas altas temperaturas, as secas e os desastres relacionados a uma meteorologia adversa relacionada às mudanças climáticas.

    A intenção é refletir e buscar soluções para os desafios do clima no mundo, pensar em como alimentar um número cada vez maior de pessoas, aliando práticas sustentáveis, preservando o meio ambiente e primando por alimentos mais saudáveis e livres de agrotóxicos.Para o professor Rogério Barbosa Macedo, é possível ter essa relação. Na medida em que se tem uma tecnologia adaptada a uma realidade socioeconômica e ambiental respeitando as características de cada região, o que dá uma característica de maior sustentabilidade para este tipo de produção. “Entre os princípios da agricultura orgânica está o respeito às condições diferentes que a gente encontra no planeta terra”, enfatiza.

    Quadro de artista participou de exposição em Dubai

    Quadro de artista participou de exposição em Dubai

    TNTV

    Quadro de artista participou de exposição em Dubai

    Inscreva-se na nossa newsletter

    Notícia em primeira mão no início do dia, inscreva-se agora!

    Deixe seu comentário sobre: "Paraná se consolida como maior produtor nacional de orgânicos"

    O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

    Principais matérias