Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Judiciário faz esclarecimento técnico sobre audiências de custódia 

Loading...

APUCARANA

Judiciário faz esclarecimento técnico sobre audiências de custódia 

Juiz esclareceu quais critérios são levados em conta durante as audiências de custódia. Foto: José Luiz Mendes

O Judiciário promoveu um esclarecimento técnico sobre o andamento das audiências de custódia à Polícia Militar (PM), na manhã desta terça-feira (18), Fórum Desembargador Clotário Portugal, em Apucarana.

“Foi uma troca de experiência para que o policial possa entender o porquê se concede liberdade e os requisitos para que ocorra a prisão preventiva. É importante esse esclarecimento para que seja compreendido de forma técnica. De forma alguma a audiência de custódia visa coibir ou atrapalhar o trabalho da polícia militar que deve continuar sendo realizado da mesma forma eficaz que já vem sendo”, explica o juiz da 1ª Vara Criminal, Osvaldo Soares Neto. O juiz da 2ª Vara Criminal, José Roberto Silvério, também participou da reunião no fórum. 

O comandante do 10º BPM, tenente-coronel José Francisco Cardoso, acompanhou a reunião e disse que o judiciário também esclareceu dúvidas dos policiais. “Esse tipo de postura já vinha sendo adotado em outros países e o objetivo é ter uma polícia cada vez mais preparada”, assinala.  

Cardoso confessa que a ideia inicial era de que a medida seria um tanto traumática. No entanto, após cinco meses da implantação, ele avalia que a medida trouxe benefícios. 

"Inicialmente só tínhamos ideia do que consta na legislação, agora entendo que são mudanças necessárias. No entanto, cria-se a impressão de que audiência de custódia faz com que quem cometeu crime seja liberado. Mas não é a realidade. Se existe alguma fraqueza é ´na legislação", ressalta.  

Policiais do 10º BPM puderam tirar dúvidas sobre as audiências. Foto: José Luiz mendes

Entenda
O projeto Audiências de Custódia foi criado em parceria com o Tribunal de Justiça do Paraná. A medida garante que presos em flagrante sejam apresentados a um juiz no prazo máximo de 24 horas. A estrutura da audiência de custódia implica que a pessoa submetida a um flagrante seja apresentada ao juiz, que vai então, imediatamente após a prisão, dizer se aquele indivíduo vai apresentar periculosidade para ficar preso ou se vai receber uma tornozeleira eletrônica ou alguma medida diferente da prisão.  A medida foi estabelecida com objetivo de liberar mais vagas e manter adequadamente o preso considerado mais grave no sistema penitenciário.

Termo de cooperação
O projeto foi desenvolvido por iniciativa do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para impactar diretamente o sistema carcerário, diminuindo o número de pessoas presas injustamente. 

O Termo de Cooperação Técnica para a implantação do projeto foi assinado em julho de 2015 pelo governador Beto Richa e pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, que também preside o CNJ; pelo presidente do Tribunal de Justiça do Paraná, desembargador Paulo Roberto Vasconcelos, e pelo presidente do Instituto de Defesa de Direito à Defesa (IDDD), Augusto de Arruda Botelho.

O portal TNOnline.com.br não se responsabiliza pelos comentários, opiniões, depoimentos, mensagens ou qualquer outro tipo de conteúdo. Seu comentário passará por um filtro de moderação. O portal TNOnline.com.br não se obriga a publicar caso não esteja de acordo com a política de privacidade do site. Leia aqui o termo de uso e responsabilidade.

Últimas Notícias

OBITUÁRIO

BOM SUCESSO 17/01

MARIA DE LOURDES NUNES DA SILVA, 62 anos

APUCARANA 17/01

ESTANISLAU FLORIANO DOS SANTOS, 81 anos

ELZA MARIA MACHADO STABILE, 72 anos

MEGA SENA

CONCURSO 1894 · 14/01/2017

21 31 35 53 54 57